Se você está vendo esta mensagem, significa que estamos tendo problemas para carregar recursos externos em nosso website.

If you're behind a web filter, please make sure that the domains *.kastatic.org and *.kasandbox.org are unblocked.

Conteúdo principal

Partes do coração

A estrutura e função do coração são complexas. O sangue flui pelo coração em um padrão específico graças a válvulas que o mantêm em movimento na direção correta. Certos músculos e cordas ajudam a manter as válvulas funcionando corretamente. Os dois ventrículos do coração são separados pelo septo interventricular. O músculo da parede do coração é formado por três camadas: o endocárdio, o miocárdio e o pericárdio. Versão original criada por Rishi Desai.

Quer participar da conversa?

Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.

Transcrição de vídeo

RKA - E aí, pessoal! Tudo bem? Aqui nós temos uma bela imagem do coração, e deixa eu colocar nome de algumas coisas aqui que nós já vimos. Lembra, o sangue flui do átrio direito para o ventrículo direito, depois vai para os pulmões, prossegue para o átrio esquerdo, desce para o ventrículo esquerdo e aí, nós temos o que chamamos de fluxo de sangue. Lembra, nós vimos que o que mantém o sangue fluindo na direção certa são as válvulas, que são chamadas de válvulas atrioventriculares e se referem a duas válvulas entre os átrios e os ventrículos. Uma será a válvula tricúspide e a outra, a válvula mitral. Só para você ver isso no nosso desenho, eu vou colocar aqui "T" para tricúspide e "M" para mitral, e, se você olhar para essas duas válvulas, pode ver que elas estão voltadas para baixo, e vai ver que essas válvulas serem assim é muito importante. Essas válvulas estão presas às paredes, mais ou menos assim, e por isso que é importante elas estarem para baixo. Elas estão amarradas em um pequeno músculo, mais ou menos assim, aqui o músculo, e aqui também. Isso faz muito sentido, porque os ventrículos são muito fortes, e se esses ventrículos estão apertando, há uma boa chance de que o sangue vá disparar em qualquer direção que puder, vai voltar, talvez, através da válvula mitral, se puder passar por ela, ou vai pela válvula tricúspide, também, se puder passar por ela. Ou seja, tem muita pressão ali, e essas linhas que estão segurando as válvulas impedem a válvula de virar e nós chamamos essas linhas de cordas tendíneas e são importantes porque impedem que a válvula vire, e esses músculos são chamados de músculos papilares, isso, porque eles verificam se os ventrículos não estragam as válvulas. Agora, vamos dizer que, por acidente, o nosso ventrículo, muito, muito forte, quebrou uma dessas cordas tendíneas. Deixa eu colocar isso no desenho aqui, deixa eu apagar essas cordas tendíneas. Vamos dizer, então, que elas se quebraram porque o nosso ventrículo está forçando muito sangue de volta, e isso fez com que as cordas se rompessem. O que vai acontecer com o nosso coração? Simples, essa válvula vai começar a se mexer para cima e para baixo, e, no próximo batimento cardíaco, o sangue vai começar a ir na direção errada porque a válvula não consegue segurar o sangue. O sangue, basicamente, iria nessa direção, ou seja, de repente o nosso fluxo está indo na direção errada, é por isso que as cordas tendíneas e os músculos papilares fazem um trabalho muito importante. Ok, mas agora, vamos pensar em outra coisa aqui. Esse aqui é o que chamamos de septo interventricular, e você pode pensar no septo, basicamente, como uma parede, e quando você olhar para esse septo interventricular, você tem essa área bem fina aqui, e essa aqui é a parte grossa, e, com isso, nós podemos concluir que as duas áreas do septo não são iguais. Essa parte em vermelho é muito mais grossa, e eu estou pintando em cores diferentes, para mostrar para você que a primeira parte se chama de membranosa, literalmente, como uma membrana, e a parte vermelha é a parte muscular, ou seja, é uma parte muscular muito forte. Então, você tem duas partes nesse septo, que é a parede entre os ventrículos. E sabe qual é o interessante sobre a parte membranosa? É que muitos bebês nascem com um buraco nessa parte. E claro, quando eu falo muitos, eu não estou falando que é a maioria, tá? Mas, um defeito disso, é que você vai ter uma comunicação entre esses dois aqui, e, com isso, o sangue pode fluir do ventrículo esquerdo para o ventrículo direito. Isso é muito perigoso, é o que chamamos de DSV, ou seja, Defeito do Septo Ventricular. Lembrando que o septo representa a parede, então, o DSV é mais comum na parte membranosa do que na parte muscular. Por fim, vamos aqui em uma última coisa que eu quero falar. Deixa eu dar um zoom nas paredes aqui. Essa parte em branco aqui que eu vou destacar, ou seja, o que está acontecendo nessa parede e quantas camadas tem? Deixa eu colocar um pequeno retângulo aqui. Ok! O que eu quero dizer é que existem três camadas para o músculo cardíaco, e nós vamos falar dessas três camadas. Basicamente, nós vamos começar de dentro e vamos sair conferindo as três camadas. Do lado de dentro, você tem o que é chamado de endocárdio, e eu vou colocar aqui o endocárdio. Estou colocando aqui, em verde, passando por toda essa parte aqui, vai passar em torno das válvulas e, com isso, você já sabe que as válvulas têm endocárdio, e circula o ventrículo, e também vai ao redor do átrio, vai por todo esse caminho e cobre tanto lado esquerdo quanto o lado direito. O endocárdio é parecido com o revestimento interno dos vasos sanguíneos, ou seja, é uma camada muito fina, basicamente, reveste o interior de todas as câmaras cardíacas, é a camada onde a célula vermelha do sangue está batendo, então, quando os glóbulos vermelhos estão entrando nas câmaras do coração, parte que eles vão ver vai ser do endocárdio, ou seja, essa parte toda verde aqui que eu estou desenhando. Deixa eu colocar isso aqui no meu retângulo. Esse endocárdio vai se parecer mais ou menos com isso, e tem algumas camadas de células grossas, como eu disse, dentro você tem as células vermelhas do sangue saltando, mais ou menos assim: você tem aqui o glóbulo vermelho, aqui, você tem outro, e eles vão se colidindo com esse endocárdio. Agora, depois do endocárdio, você chega na próxima camada, que é o que chamamos de miocárdio, que é o maior pedaço de nossa parede, mais ou menos assim no meu retângulo, toda essa parte aqui que eu estou pintando, mais ou menos assim. Então, esse aqui é o miocárdio. Eu nem coloquei o nome do endocárdio aqui, então, esse aqui é o endocárdio. Os nomes são bem parecidos, só muda o início, isso porque "mio" significa músculo, e o miocárdio é onde todo músculo se contrai, e, por isso, é onde está a maior parte da contração muscular, e é aonde muita energia está sendo usada, ou seja, quando o coração precisa de oxigênio, geralmente, é o miocárdio, porque essa é a parte que está fazendo o maior trabalho. Do outro lado do miocárdio, o que nós temos do lado de fora? Nós temos uma camada chamada de pericárdio. Deixa eu tentar colocar isso aqui no nosso retângulo, é mais ou menos assim. Esse pericárdio é uma espécie de camada fina. E sabe qual é o interessante dessa camada? É que ela está dividida em duas subcamadas: uma é a camada interna, e a outra é a camada externa. Entre essas duas camadas, tem uma lacuna, um vazio mesmo, e, nessa lacuna, nesse vazio, você pode ter um pouco de fluido, mas, na verdade, não são células. Eu acho que essa é a parte mais importante de se destacar, porque é mais um pouco de fluido que fica do lado de fora, então, essa coisa toda aqui é chamada de pericárdio. Eu acho que isso é um pouco estranho, se você pensa: "Como nós podemos ter uma camada que tem uma lacuna, um vazio, um espaço dentro dela?" Deixa eu tentar mostrar mais ou menos o que acontece aqui em um feto. Vamos dizer que você tenha aqui um pequeno coração de um feto, ou seja, um coração bem pequeno, e esse coração vai ficar um pouco maior, mais ou menos assim. Depois nós temos um coração de um adulto. Algo mais ou menos assim. Preste atenção! Ao mesmo tempo que o coração está crescendo, você também tem um saco quase como um pequeno balão que começa a envolver o coração, então, coração vai crescendo direto para o balão e você vai ficando com algo, mais ou menos assim. Quando você fica adulto, você tem algo mais ou menos assim. Ou seja, basicamente, tem esse tipo de camada interna aqui e, agora, nem parece mais tanto um balão assim, ou seja, o meu desenho, agora, ficou contínuo. Se você quisesse olhar aqui no nosso desenho, nós teríamos mais ou menos assim, ou seja, o nosso balão agora estaria mais ou menos assim, você tem, basicamente, duas camadas, e tem uma lacuna entre elas, e essas duas camadas são chamadas de pericárdio. Basicamente, o nosso balão é o nosso pericárdio. Cada uma dessas subcamadas possuem um nome, essa camada do meio aqui que eu estou desenhando, é chamada de pericárdio visceral, e é visceral porque se refere aos órgãos, e esse pericárdio mais externo aqui, que eu estou desenhando agora, é chamado de pericárdio parietal, é a camada que está do lado de fora, a mais externa, ou seja, essa camada aqui é o que chamamos de pericárdio parietal. Então, nesse retângulo, você pode ver as três camadas: o endocárdio, o miocárdio e o pericárdio. E esse pericárdio visceral aqui, também pode receber o nome de epicárdio, ou seja, algumas vezes você vai ver o nome epicárdio, e esse nome vai se referir ao pericárdio visceral. Mas, é isso aí pessoal! Até a próxima aula!