Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:10:06

Transcrição de vídeo

quando aprendemos sobre células apresentadoras de antígeno vimos que podem primeiro digerir alguma coisa deixa desenhar uma célula dendrítica que na minha melhor versão de uma célula dendrítica talvez eu devesse dezenas mais simples do que isso bom uma célula dendrítica é um fagote e isso é uma célula apresentadora de antígeno após a gostar algum tipo de patógenos ram e ele será todo rompido e então o favorito vai mostrar vai apresentar o antígeno em sua superfície aqui no complexo protéico e à parte do patógeno que foi rompida será reconstruída aqui aprendemos no vídeo sobre células apresentadoras de antígeno que este complexo aqui é um complexo do tipo mhc 2 onde mhc significa complexo maior de isto com o pat bilidade histocompatibilidade onde histocompatibilidade apenas significa compatibilidade de tecido compatibilidade de tecido e esse foi o caso nas células apresentadoras de antígeno até mesmo os linfócitos b fazem isso deixou desenhar um linfócito b então um linfócito b tem sua membrana ligada ao anticorpo assim como esse ele realmente tem milhares de anticorpos eu poderia continuar dizendo um monte de corpos mas é só pra que você saiba que há mais de um talvez um desses tenha disparado ou aderido algum tipo de vírus de proteína ou de bactérias circulante e o que ele faz é englobar essa partícula e rompê la novamente fazer o mesmo que as células dendríticas fizeram ele rompe uma parte disso e apresenta na sua superfície em conjunto com um complexo mhc 2 então mais uma vez este é um complexo mhc 2 essas células apresentadoras de antígeno profissionais que saem e eliminam as coisas fora do fluido fora da parte 1 moral do nosso corpo as coisas que ficam apenas se pulando as células vão englobar anos vão dizer ah isso é ruim vou rompê lo e apresentá los com esses mhz 2 é por isso que chamamos de células apresentadoras de antígeno profissionais agora o nhc 2 expulsão quase todas as células do corpo quando digo quase todas as células na verdade são todas as células nucleadas então todas as células têm um núcleo exceto os glóbulos vermelhos essas células são a nucleadas pra poderem ter mais espaço para armazenar hemoglobina acho fascinante mas todas as células nucleadas tem outro complexo maior de histocompatibilidade que é chamado de mhc 1 ou complexo maior de histocompatibilidade maior do tipo 1 mhc ram também são células nucleadas elas também têm um complexo mhc 1 aqui a coisa interessante sobre o complexo mhc do tipo 1 é a sua presença em praticamente todas as células do organismo praticamente todas as células nucleadas os glóbulos vermelhos têm 1 mhz 1 que é o lugar pra qualquer coisa estranha que esteja acontecendo no interior da célula pode ser célula cancerosa que produz proteínas estranhas ou uma célula infectada por um vírus ou ainda algum tipo de bactéria ou de proteína estranha que chegou aqui em qualquer caso qualquer célula no corpo humano pode romper os mesmo que seja defeituosa e vai apresentá-los digamos que seja uma célula cancerosa então essa célula cancerosa tem todas essas proteínas estranhas que somente células cancerosas apresentam isso não é normal para uma célula normal isso será apresentado no mhc um digamos que eu tenho alguma outra célula do meu corpo que é diferente de uma célula normal ela é nuclear da vamos dizer que ela tenha sido infectada por um vírus a célula infectada está se transformando nesta fábrica de vírus mesma coisa existem mecanismos na célula que irão pegar algumas das proteínas que constituem esses vírus e apresentá-las ao complexo mhc 1 então no caso de mhc 2 é o linfócito t auxiliador que desperta pra dizer ah eu achei uma coisa flutuando por aqui nem linfócito t auxiliadora aqui está um pequeno fragmento dele porque você não se liga nele aumentar o sistema de alarme agora o sistema mhc um disse isso não são coisa circulando eu fui infectado ou eu estou canceroso estou enlouquecendo é melhor você me matar eu sou um vírus ou eu sou uma máquina de fazer vírus é melhor você me matar e essa mensagem vai para os linfócitos de citotóxicos que realmente são o tópico desse vídeo então apenas para certificar que você entendeu a diferença os dois tipos de linfócitos t têm receptores de linfócitos t mas os linfócitos t auxiliadores ligam seu complexo mhc do tipo 2 digamos que esse aqui é o linfócito t auxiliador alguns desses linfócitos t auxiliadores e somente os que têm a combinação certa a correta porção variável aqui é que ligam se perfeitamente essa combinação de antígeno e complexo mhz 2 esse tipo de linfócito t auxiliador irá ligar se aqui será ativado e começar a diferenciação então a diferenciação começa aqui e as versões efetor dele começam a aumentar os alarmes e as versões de memória delas vão ficar por perto no caso desse tipo de coisa acontecer de novo em relação ao mhz 1 ao invés de atrair um linfócito t auxiliador atrairá um linfócito t citotóxico assim como nos linfócitos t auxiliadores o o receptor de linfócitos t tem uma parte não variável e uma parte variável que é específica para essa combinação de antígeno e mhc 2 então esse linfócito t citotóxico aqui será envolvido quando uma outra célula estiver cancerosa esse linfócito t citotóxico não terá uso não vai se ligar a essa que foi atraída por um vírus para isso terá que ser outro linfócito t citotóxico específico e um mecanismo dessa variabilidade no linfócito t auxiliadora o linfócito t citotóxico você viu nos linfócitos b nas suas lembranças ligadas a anticorpos e tudo acontece porque em seu estágio de desenvolvimento no processo de maturação o dna que foi codificado para essas partes variáveis fica embaralhado intencionalmente assim estamos sempre tentando preservar as informações do dna que ficou embaralhada saque mais uma vez que o imposto de citotóxicos encontra um desses no mhc 1 e devemos lembrar que cada célula nuclear no corpo tem 1 mhz 1 o que ele faz é ficar ativado então digamos que esse aqui de ganso parecia suspeito você precisa morrer e daí ele fica ativado assim como todas as outras células ele também começa a se dividir sucessivamente a se diferenciar então dividir e se diferenciar em células de memória apenas para o caso de um novo contato em caso de precisar novamente apenas no caso desse tipo de câncer aparecer de novo a mesma coisa nos linfócitos t efetor que são aqueles que fazem um assassinato este é um linfócito t efetua vamos dizer que um desses setores também vai se ligar a moléculas cancerosas como esta digamos que esta célula está dividindo ea outra versão dela aqui e isso é o que o câncer face a célula se divide agressivamente e produz proteínas estranhas ela apresenta essas proteínas estranhas em sua mch que é o complexo maior de histocompatibilidade do tipo 1 que em seguida um desses linfócitos t citotóxico efetor é atraído para esse complexo e eu não vou entrar em detalhes sobre o que necessariamente faz essas atrações e toda a membrana fica ligada às proteínas se você assistir a uma aula de imunologia vai saber mais sobre isso então essa é um linfócito t citotóxico e ela força essa célula morrer faz isso de algumas maneiras diferentes realmente pode realizar hexi tozzi no grupo d são chamadas de perforina as porque fazem pequenos orifícios na membrana da célula a outras proteínas que que eles liberam chamadas grazi mas que vão iniciar mecanismos que fazem com que essa célula que iria se matar então o panorama é que essas células são muito efetivas na produção e quando o linfócito b fica ativado ele produza anticorpos que matam coisas que estão circulando tá uma vez que um linfócito b é ativado ele começa a produzir um monte de anticorpos esses anticorpos circulam e eles podem se ligar aos vírus e torná-los ineficazes ou somente marcá los para coleta pelos macrófagos ou pelas células dendríticas outros tipos de rostos enquanto que os linfócitos t citotóxicos são utilizados para essencialmente matar as células que estão mal por exemplo uma célula cancerosa que está apresentando proteínas estranhas ou uma onde um vírus tenha invadido quando os anticorpos são realmente inúteis os anticorpos não vão ser capazes de entrar nessas células nesse caso em vez de eliminar o próprio vírus um linfócito t citotóxico vai vir e matar essa célula porque essa célula é uma fábrica de vírus então você tem que tirar do caminho