If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:4:54

Transcrição de vídeo

RKA10GM - Olá, meu amigo ou minha amiga, tudo bem com você? Seja muito bem-vindo ou bem-vinda a mais uma aula de Ciências da Natureza. Nesta aula, vamos falar sobre a vaginose bacteriana. A vaginose bacteriana é uma doença causada pelo super crescimento de um tipo de bactéria chamado Gardnerella vaginalis. E como o nome pode sugerir, essa é a infecção vaginal mais comum. Quero colocar essas ressalvas bem grandes aqui em torno do termo infecção, porque a coisa interessante sobre a Gardnerella vaginalis é o fato de ser uma bactéria encontrada naturalmente na vagina. Algumas pessoas consideram isso como sendo uma infecção sexualmente transmissível. O que é interessante, porque isso não causa nenhum problema até que haja um número muito grande dessa bactéria presente na vagina. Quando olhamos para as causas de vaginose bacteriana, percebemos que todas elas são coisas que mudam o ambiente vaginal. Isso pode incluir as formas de lavagem da vagina. Um outro motivo é ter vários parceiros sexuais. E, finalmente, uma das causas mais conhecidas é o uso de antibióticos. Esse uso pode ser feito por alguém que teve uma infecção na garganta ou uma pneumonia. E aí esses antibióticos vão atacar as bactérias que existem dentro da vagina e permitir que a Gardnerella vaginalis aumente em número, causando a vaginose bacteriana. Falamos um pouco sobre isso, mas quero desenhar para poder ficar mais fácil de compreender. Vamos falar sobre a fisiopatologia dessa doença. Lembrando que quando estamos falando sobre a fisiopatologia, falamos sobre o mecanismo pelo qual essa doença ocorre. Para entender a fisiopatologia da vaginose bacteriana, precisamos dar uma olhada na amostra de algumas bactérias que existem na vagina. Vou colocar aqui algumas bactérias Gardnerella vaginalis. E vou colocar este símbolo, que vai ser da Gardnerella vaginalis. E vou desenhar alguns deles por aqui, mas quero também mostrar que existem muitas outras bactérias nessa amostra. Se realmente olharmos para isso, vamos perceber que a Gardnerella vaginalis é minoria em relação às bactérias presentes nessa amostra de bactérias vaginais. Vamos dizer que essa amostra seja de uma paciente que está realizando um tratamento para uma infecção na garganta. Ou seja, ela está tomando um antibiótico. O que acontece é que o antibiótico vai matar algumas das bactérias que existem na vagina, bem como em outras partes do corpo. Após realizar esse processo, o que teremos como resultado? Podemos perceber que a maioria das bactérias que existem agora são as Gardnerella vaginalis. Sendo assim, elas vão se reproduzir e crescer demais. Ao fazerem isso, a nossa paciente vai ter o quê? Vaginose bacteriana. Ou seja, com o aumento da população da bactéria Gardnerella vaginalis, vamos observar os sintomas da vaginose bacteriana. E por falar nisso, quais são os sintomas da vaginose bacteriana? Uma das principais características associadas a essa infecção, que vamos chamar aqui apenas de VB, é o corrimento vaginal. Esse fluido tem um odor característico de peixe. Um outro sintoma ainda mais perigoso é que as mulheres grávidas podem dar à luz a seus bebês um pouco mais cedo, ou seja, um parto prematuro. Por isso é muito importante falarmos sobre como podemos diagnosticar a vaginose bacteriana. Um dos principais exames que podemos fazer é o exame de Papanicolau. Temos aqui o exame de Papanicolau, pegamos um cotonete e esfregamos na vagina, para pegar uma pequena amostra da região. Então vamos observar essa amostra com um microscópio. E o que vamos ver ao observar isso no microscópio? Observemos esta imagem ao lado, temos duas células escamosas simples. Vamos escrever isto: essas são as células epiteliais vaginais. Estas duas células. Espero que consiga ver, sobre estas células, esses organismos bacterianos. Existem muitos deles aqui. Deixe-me delinear alguns. Reparemos que eles estão em todo lugar, e isso, de fato, é uma grande pista. São chamadas, inclusive, de células indicadoras. Se encontrarmos algo desse tipo no exame de Papanicolau, é um grande indicativo de que a paciente tem vaginose bacteriana. Agora que já fizemos o diagnóstico, o próximo passo, claro, é o tratamento. Como a Gardnerella vaginalis é uma bactéria, podemos tratá-la com antibióticos e, assim, diminuir a quantidade dessa bactéria até que volte ao número ideal de bactérias que devemos encontrar na vagina. A próxima pergunta que devemos ter em mente é: como evitar a VB? Essa é uma pergunta difícil de responder porque uma das causas da VB, como já falei, é o uso de antibióticos para tratar pneumonia. E temos que usar antibióticos para tratar pneumonia. Então a única coisa recomendada aqui é evitar ter novos ou múltiplos parceiros sexuais. E quando tiver, usar preservativos. Então a única coisa recomendada é utilizar preservativos quando tiver novos ou múltiplos parceiros sexuais. Além disso, o que os médicos costumam fazer quando algo desse tipo se torna sintomático é apenas tratar o paciente com antibióticos. Espero que tenha compreendido bem como funciona a vaginose bacteriana. E quero deixar um grande abraço. Nos vemos no próximo vídeo!