If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:13:21

Transcrição de vídeo

RKA10GM - Olá, meu amigo ou minha amiga, tudo bem com você? Seja muito bem-vindo ou bem-vinda a mais uma aula de Ciências da Natureza. E nesta aula, vamos conversar sobre a clamídia, que é a doença sexualmente transmissível mais comum do mundo. Vamos escrever isso: infecção sexualmente transmissível. E você deve se lembrar da nossa conversa sobre a gonorreia. A clamídia frequentemente coinfecta uma pessoa com gonorreia. Existem diversas espécies de clamídia. Mas quando falamos sobre a DST mais comum, que é a responsável pela doença clamídia, ela é causada pela bactéria Chlamydia trachomatis, que recebe esse nome porque 'tracoma' é o termo para a infecção ocular que ocorre com a clamídia, e já vamos falar sobre isso. Agora, como qualquer infecção sexualmente transmissível, temos que considerar o mecanismo pelo qual a infecção se espalha de uma pessoa para outra. Esse processo é chamado de transmissão, e existem diversas maneiras pelas quais a clamídia é transmitida de uma pessoa para outra. O sexo, sem dúvida, é a forma mais comum, e isso pode incluir sexo oral, vaginal e anal. O parto é um outro mecanismo importante para a transmissão, e já vamos falar sobre isso também. Por último, uma das formas únicas que podem transmitir clamídia e que normalmente não vemos em outras infecções sexualmente transmissíveis, é o contato direto. Vamos colocar um grande asterisco aqui. Isso porque a clamídia só pode viver fora de um hospedeiro humano por cerca de alguns segundos a um minuto. Então o contato direto significa algo como coçar um órgão infectado do corpo, digamos, a parte da genitália e, em seguida, tocar diretamente outra parte do corpo, como o olho. Ou seja, não estamos falando de uma pessoa tocar outra pessoa diretamente e espalhar a infecção, isso é algo muito raro e improvável de ocorrer. A forma mais comum realmente é essa: uma pessoa entrar em contato com uma parte infectada do corpo e espalhar essa infecção para outra parte do corpo dessa mesma pessoa. Vamos falar sobre isso no caso da conjuntivite ou uma infecção ocular provocada pela clamídia. Vamos colocar esta lista aqui do lado e focar no meu pobre amigo que, novamente, vai ter todos os sinais e sintomas diferentes que uma pessoa pode ter com clamídia. Como já mencionei, a clamídia é transmitida principalmente através do sexo, e como estamos falando sobre isso, vamos nos concentrar nos órgãos sexuais. Pelo fato da transmissão da clamídia ser feita principalmente através do sexo, vamos começar nos concentrando nos órgãos sexuais. Vou colocar este lado como a mulher. Aqui temos a uretra. Bem aqui é a entrada para a vagina, que leva até o colo do útero. O colo do útero. Não vou colocar o nome aqui, mas este é o ânus, que leva ao reto e a todo o resto do trato gastrointestinal inferior. Deste lado, temos o homem, que começa com o pênis, o testículo, a próstata, a bexiga, a uretra. Vou colocar o nome no resto daqui a um minutinho, mas vamos nos concentrar inicialmente na mulher. Vamos dizer que esta mulher foi infectada por um homem. Sendo assim, temos uma bactéria Chlamydia trachomatis, que está entrando na vagina. Vou desenhar a clamídia aqui para vermos isso. Daqui, a clamídia vai se multiplicar e se espalhar ainda mais pelo trato genital em seu caminho até o colo do útero. O mesmo pode ocorrer na uretra e nas proximidades. Talvez a gente tenha clamídia se espalhando dessa forma na uretra. O interessante sobre a clamídia é o fato de ser predominantemente um organismo intracelular ou uma bactéria intracelular, o que significa que ela gosta de viver dentro de uma célula. Nesse caso, isso significa que ela vai se instalar dentro da célula hospedeira humana ou nas células epiteliais que revestem a vagina ou, ainda, nas células epiteliais que revestem a uretra. Existem alguns sintomas que estão associados à clamídia, e muitos deles são devidos aos glóbulos brancos que vêm e atacam a bactéria. O que eles fazem é que, ao perceberem que há clamídia dentro das células epiteliais, eles vão se direcionar para essas células que estão infectadas, para causar aquele processo que chamamos de apoptose, que é um assassino muito limpo e organizado de uma célula especificamente selecionada. Então vamos ter a morte celular. A morte celular que é programada pelo glóbulo branco. No entanto, como desenhei aqui, não temos geralmente uma única bactéria de clamídia que vem para infectar o trato genital ou trato urinário. Teremos muitos desses caras que são inoculados ou espalhados no trato. Como resultado, haverá muitos glóbulos brancos que vêm da corrente sanguínea para o trato genital ou urinário, e eles vêm para atacar células epiteliais infectadas ou, ainda, fagocitar qualquer dessas bactérias que estão fora da célula no momento. Quando todos esses glóbulos brancos vêm da corrente sanguínea para o trato genital ou urinário, vamos ter um processo conhecido como inflamação. Inflamação. Isso nos causa o inchaço, a queimação e a dor em geral. É algo que está diretamente associado a uma infecção por clamídia. Isso significa, inclusive, que quando a uretra está infectada, vamos ter uretrite, e a sensação de queimação que se tem quando urina é chamada disúria. A palavra 'úria' se refere ao trato urinário e, juntas, essas duas palavras significam algo que está fora de sintonia, ou seja, tem um distúrbio no trato urinário. O mesmo pode ser dito da infecção das células epiteliais que revestem a vagina, resultando em vaginite. Ou, se essa infecção for um pouco mais adiante, para o colo do útero, vamos ter uma cervicite. Vamos escrever isso: cervicite. E, assim, como há um termo para "dor ao urinar", também há um tempo para "sexo doloroso" ou uma relação sexual. Isso é chamado de "dis-" (que significa, novamente, uma desordem, um distúrbio) "-pareunia", uma dispareunia. A palavra "pareunia" significa apenas o ato sexual ou simplesmente sexo. Agora existem muitas semelhanças que podemos desenhar aqui, no caso do homem. Vamos dizer que se alguma das bactérias da clamídia se espalhou através da uretra, isso vai causar uma uretrite. Se ela se espalhar para a próstata, este cara rosa é a próstata, teremos prostatite. Prostatite. A única coisa que eu deveria mencionar que é diferente, no caso da mulher em relação ao homem, é que há uma abertura do útero para a cavidade abdominal, através das trompas de Falópio. Se a clamídia se espalhar do colo do útero para o útero e para as trompas de Falópio, pode realmente semear ou se espalhar na cavidade abdominal. Isso também ocorre com a gonorreia. E o termo que utilizamos para esse tipo de infecção é chamado de inflamação pélvica, uma doença inflamatória pélvica. DIP: doença inflamatória pélvica. E existem várias outras complicações que podem ocorrer por causa da DIP. Vamos falar sobre isso em um vídeo separado. Fiquei sem espaço para mostrar, mas um outro sinal revelador de uma infecção sexualmente transmissível, especialmente quando os glóbulos brancos estão vindo da corrente sanguínea para atacar as células epiteliais infectadas e as bactérias, é que teremos a apoptose, aquela morte celular que ocorre ao longo do caminho. E, assim, as células epiteliais mortas, os glóbulos brancos mortos e até as bactérias vão sair da uretra, seja tanto no homem quanto na mulher. E o que realmente veremos é pus. Então teremos algo purulento saindo ou apenas pus, que representa os glóbulos brancos mortos, as células epiteliais e as bactérias que estão sendo essencialmente liberados, principalmente quando se faz xixi. Dos genitais, a clamídia pode se espalhar pela corrente sanguínea para outros lugares do corpo, e existem alguns lugares muito clássicos onde ela vai aparecer. Um desses lugares em que ela pode aparecer, por exemplo, é o olho. Desenhei o olho deste cavalheiro aqui, e ele está olhando para baixo. E lembre-se, como já mencionei agorinha mesmo, além de se espalhar pela corrente sanguínea, a clamídia também pode se espalhar a partir do contato direto com o olho. Vamos dizer que esteja saindo um pouco de pus do olho, que um pouco de pus foi liberado. Essa pessoa está um pouco confusa sobre o porquê de estar saindo pus e, então, toca essa região com o dedo e, depois, esfrega o olho. Fazendo isso, é possível infectar o olho com clamídia. Isso começa afetando essa parte avermelhada, que é chamada de conjuntiva, que é apenas um nome chique para o interior da pálpebra. Se a clamídia se espalhar aqui, vamos começar a ver essas colisões que vão ocorrer na conjuntiva, no interior da pálpebra. E esses solavancos vão acumular e começar a coçar o olho. Quando começarmos a coçar o olho, vamos começar a causar uma irritação também. Um detalhe: a conjuntiva que está infectada pode ser chamada de conjuntivite. Se começarmos a coçar o olho bem nessa região, poderemos espalhar a infecção para essa parte, causando uma certa opacidade, que é uma espécie de branqueamento aqui nos olhos, e é algo que vai tornar um pouco dificultoso de se enxergar alguma coisa. Isso é o que chamamos de tracoma. O tracoma é uma das causas mais comuns de cegueira. Outro lugar que pode ser afetado quando temos clamídia se espalhando através da corrente sanguínea são as articulações. Este joelho pode estar infectado, e isto é o que chamamos de artrite infecciosa. Artrite infecciosa que, como você pode imaginar, é quando a clamídia se espalha através da corrente sanguínea para a cápsula articular bem aqui. Essa camada branca é o osso, aqui também é. E essa porção cinzenta é a cartilagem articular ou cartilagem que separa os ossos um do outro. No meio da cápsula articular ou da cavidade sinovial, temos um fluido chamado líquido sinovial. Ele ajuda os ossos a se moverem em cima um do outro, sem ter nenhum problema. Uma coisa que precisamos relembrar: depois da clamídia, vem logo o quê? Não apenas na articulação, mas também na uretra ou qualquer outra parte do corpo? Vamos ter glóbulos brancos que virão logo depois dela. Esses caras estão perseguindo a clamídia como se fosse uma espécie de vingança. Aí teremos os sinais indicadores de uma inflamação, que também vai ocorrer aqui na articulação. Tenho certeza que você pode imaginar que vai ter uma tonelada de glóbulos brancos aqui. E vai ter mesmo, nas articulações, e isso vai tornar o movimento um pouco mais difícil de ser realizado. Teremos esses glóbulos brancos aqui e um pouco de clamídia aqui. Haverá muita dor e dificuldade de movimentação. O termo que utilizamos para articulações dolorosas é disartria. O que significa "dis-"? Novamente, estamos falando de uma desordem. E "-artria"? Significa uma articulação, junção. Por isso que vamos ter uma disartria articular. Uma coisa também sobre a clamídia é que, além da artrite infecciosa, também é possível ter algo que é referido como artrite reativa, e essa é uma fera muito distinta da artrite infecciosa, já que a artrite reativa é o resultado dos anticorpos que temos. Liberamos anticorpos para atacar a clamídia, certo? Por algum motivo, nesse caso, esses anticorpos vão atacar tanto a Chlamydia trachomatis como também a articulação. A artrite reativa é o resultado dos anticorpos que, supostamente, estão ali para atacar a clamídia, mas que, por algum motivo, acabam confundindo as proteínas na articulação com as proteínas que estão na clamídia. Aí os anticorpos acabam atacando tudo como se fosse a mesma coisa. Quando os anticorpos fluem para este lugar, o mesmo vai acontecer com o que vimos com a artrite infecciosa. Os glóbulos brancos também vão correr para o local para ajudar no ataque de anticorpos, seja lá o que eles estiverem atacando. Mas, infelizmente, nesse caso, eles vão atacar proteínas que são encontradas naturalmente na cápsula articular. Esse é um fenômeno realmente incomum e, às vezes, é associado com a clamídia. Esse fenômeno tem o seu próprio nome, ele é chamado de síndrome de Reiter. Não é algo comum de ser identificado porque normalmente também se tem o tracoma. Já vimos que não podemos fazer xixi porque temos uretrite. Além disso, não podemos subir em uma árvore, porque temos artrite reativa. E, agora, além da síndrome de Reiter, se tivermos uma mãe infectada, esta pode transmitir clamídia para o filho recém-nascido. Quando isso ocorre, temos algo chamado de clamídia neonatal. Podemos pode perceber esta região do olho, que é semelhante ao que já falamos sobre a conjuntivite. Mas também podemos perceber que um recém-nascido infectado pode ter pneumonia. E dependendo do quanto a clamídia vai se multiplicar e espalhar para o bebê no útero, podemos ter um parto prematuro. Então o bebê nascerá mais cedo do que deveria ou até mesmo vir a falecer. Por isso, é muito importante que as mulheres grávidas passem por certos exames para identificar uma possível clamídia, já que, ao ser identificada, esses tipos de distúrbios podem ser completamente evitados. É isso aí, meu amigo ou minha amiga, espero que tenha compreendido tudo nesta aula e, mais uma vez, quero deixar um grande abraço, e até o próximo vídeo!