If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Demência e delírio, incluindo a doença de Alzheimer

"Alguém viu minha carteira?" "A que horas tenho que ir ao dentista?" "Qual é o nome daquele filme que fomos semana passada?" Todos fazemos esse tipo de perguntas de tempos em tempos, não importa nossa idade, e não ter uma memória perfeita é perfeitamente normal. Também é normal que nossa memória de longo prazo, bem como nossa capacidade de lembrar fatos que só ocorrem ocasionalmente, desvaneça-se um pouco à medida que envelhecemos. No entanto, quando entramos em nossos sessenta anos, muitos de nós nos preocupamos com o esquecimento ou a dificuldade de prestar atenção, como sinais de que o pior está por vir. Um dos medos mais difundidos quando envelhecemos é o da demência devido à doença de Alzheimer.
Tanto a demência (incluindo a doença de Alzheimer) como o delirium são causas comuns de perda de memória, pensamento e compreensão (cognição) prejudicados e comportamento debilitado. São desordens distintas, mas podem ser difíceis de distinguir:
  • Demência é um grupo de sintomas que afeta principalmente a memória, a cognição e as interações sociais, bem como a capacidade de fazer as tarefas diárias. Os sintomas começam gradualmente sem um começo marcante e são geralmente permanentes.
  • Delirium, por outro lado, normalmente começa de repente, com um ponto de partida perceptível. Ele afeta principalmente a atenção e termina muitas vezes depois de alguns dias ou semanas, embora possa durar mais tempo.

Estrutura, função e danos cerebrais na demência

O cérebro é o centro de controle do corpo. Está cheio de milhões de células cerebrais interconectadas, chamadas neurônios que recebem, processam e enviam mensagens que controlam e coordenam quase tudo o que você faz. Seu cérebro é dividido em três partes principais, o tronco cerebral, cerebelo e cérebro. Estas regiões diferentes são responsáveis por diferentes funções, tais como movimento, discurso, sentido de percepção, emoções, freqüência cardíaca, cognição e memória. A informação viaja para o cérebro e do cérebro para o corpo ao longo de neurônios, sob a forma de impulsos elétricos. Quando um impulso nervoso atinge a extremidade de um neurônio, é liberado um neurotransmissor químico, que estimula o impulso nervoso elétrico no neurônio seguinte, permitindo-lhe "saltar" de um neurônio para o outro. Os neurônios em diferentes partes do cérebro utilizam diferentes neurotransmissores para transferir informações. Alguns neurotransmissores estimulam a atividade cerebral, outros acalmam o cérebro, e alguns fazem os dois. Quando seu cérebro está funcionando bem, esses neurotransmissores estão em equilíbrio.
A demência pode ocorrer a qualquer momento, se os neurônios forem danificados. O dano pode ser em qualquer lugar dentro do cérebro e em mais de uma área ao mesmo tempo. A maioria das demências são causadas por doenças neurodegenerativas, mais comumente a doença de Alzheimer, a demência com corpo de Lewy e a demência frontotemporal. Estas doenças causam aglomerados de proteínas anormais a se formarem dentro de neurônios, danificando-os e levando-os a degenerar-se lentamente até sua morte. Não surpreende que isto interrompa a produção de neurotransmissores e os sinais no cérebro. Além dessas, a demência vascular é outra causa comum de demência progressiva. Neste caso, o dano cerebral ocorre quando o suprimento de sangue para os neurônios é reduzido ou bloqueado, levando-os também a degeneração ou morte. O bloqueio e os danos aos vasos sanguíneos podem resultar de um derrame, ou podem ser causados por hipertensão arterial ou outras doenças dos vasos sanguíneos. Existem também várias outras doenças neurodegenerativas raras e muitas outras causas menos comuns de demência, como infecções ou deficiências dietéticas.
O delirium é uma condição aguda, transitória, de mau funcionamento cerebral, geralmente reversível. O que exatamente acontece dentro do cérebro de alguém durante o delirium ainda não é bem compreendido, embora se pense que possa ser causado por múltiplos desequilíbrios dos neurotransmissores, que alteram sua atividade cerebral normal.

Sintomas de demência e delirium

Os sintomas de demência afetam as pessoas de forma diferente dependendo da área ou áreas do cérebro que são afetadas e podem ser progressivos ou reversíveis, dependendo da causa do dano. Às vezes os sintomas são muito semelhantes aos do delirium, tornando o diagnóstico um pouco complicado, além de ser bastante comum para uma pessoa com demência desenvolver o delirium.
Demência: os sintomas geralmente começam gradualmente, são bem constantes no dia a dia e lenta, mas constantemente tornam-se piores no decorrer de aproximadamente uma décadaDelirium: os sintomas geralmente aparecem durante algumas horas a poucos dias, podem aparecer e desaparecer durante o dia e geralmente ocorrem à noite
Sintomas cognitivos incluem:Sintomas cognitivos incluem :
Perda de memóriaPerda de memória
Dificuldade de falar e de se comunicarDificuldade de falar e de se comunicar
Dificuldade nas tarefas complexasDivagações e discursos sem sentido
Dificuldade em planejamento e organizaçãoDificuldade na leitura e escrita
DesorientaçãoDesorientação
Perda da coordenaçãoAtenção comprometida
Tornar-se facilmente distraído
Retraimento
Sintomas psicológicos incluem:Sintomas psicológicos incluem:
Mudanças na personalidadeIncapacidade de concentração
Inabilidade racionalInabilidade racional
Comportamento não apropriadoRedução na percepção do ambiente
ParanoiaAgitação
AgitaçãoAlucinações
AlucinaçõesDistúrbios do sono
Medo, ansiedade, raiva e depressão
O Delirium é geralmente transitório, em vez de permanente, ainda que o sucesso da recuperação dependa menos da vontade do paciente de se recuperar, do que de sua saúde prévia — se você estava bem de saúde antes de acontecer, você estará mais propenso a ter uma recuperação completa. Infelizmente, para algumas pessoas, particularmente aqueles que estão gravemente doentes, o delirium pode levar à perda significativa da memória e diminuição de habilidades de pensamento, bem como a um declínio geral na saúde, com fraca recuperação e aumento do risco de morte.

O que causa demência e delirium?

Demência

Quatro doenças são responsáveis pela maior parte dos casos de demência: a doença de Alzheimer (cerca de 50-60% dos casos), a demência vascular (cerca de 15-20% dos casos), a demência com corpos de Lewy e a demência frontotemporal. 1 Cada uma delas têm características diferentes:
  • Doença de Alzheimer os sintomas geralmente começam do meio para o final dos 60 anos do paciente, embora uma pequena proporção de pessoas tenha início precoce do Alzheimer, com sintomas a partir de seus 40 ou 50 anos. Esta forma da doença de Alzheimer tem um forte componente genético e normalmente ocorre em famílias.
    • Demência Vascular é rara se você tiver menos de 65 anos, mas geralmente começa mais de repente do que a doença de Alzheimer. O diagnóstico pode ser complicado se o paciente tiver a doença de Alzheimer ou outra demência ao mesmo tempo. Pessoas com risco para demência vascular muitas vezes têm uma história de tabagismo, disritmias cardíacas, hipertensão, diabetes e doença arterial coronariana.
    • demência com corpos de Lewy: corpos de Lewy são aglomerados anormais de proteína que se acumulam nos neurônios cerebrais causando problemas com a sinalização celula; são freqüentemente encontrados nos cérebros de pessoas com doença de Alzheimer e Parkinson (principalmente um distúrbio de movimento). A demência com corpos de Lewy é semelhante ao Alzheimer, mas pode ser distinguida por sintomas exclusivos como distúrbios de rápido movimento dos olhos, distúrbios do sono e pelas flutuações entre confusão e clareza.
    • Demência Frontotemporal frequentemente tem seu início mais cedo do que a doença de Alzheimer, geralmente em seus 50 ou início dos anos 60. O dano cerebral ocorre na parte frontal do cérebro em regiões que controlam a personalidade, o comportamento e a linguagem.
O motivo exato pelo qual desenvolvemos essas demências ainda permanece um enigma, embora provavelmente existam componentes genéticos em muitos casos. Outras condições raras também têm sido associadas à demência, incluindo a doença de Huntington, doença de Creutzfeldt-Jakob e a doença de Parkinson, bem como a lesão cerebral traumática.
Além disso, há uma variedade de outras razões pelas quais se pode ter demência quando os sintomas muitas vezes são reversíveis. Estes incluem infecções (por exemplo, meningite, ou sífilis), deficiências nutricionais, reações a medicamentos, hemorragias cerebrais, abuso de substâncias e envenenamento. Também é possível que o mau funcionamento de outros órgãos vitais, incluindo o fígado ou os rins possam prejudicar a função cerebral causando a demência.
Como um adulto idoso, qualquer condição que termina com uma visita ao hospital aumenta o risco de delirium, e até 80% das pessoas que estão gravemente doentes deliram em algum momento durante sua estadia no hospital. 2 Há diversas condições que podem provocar delirium sendo as mais comuns a desidratação, infecções agudas, tais como infecção do trato urinário ou pneumonia, ingestão de drogas prescritas como antidepressivos, soníferos, narcóticos e álcool bem como abuso de substâncias ou a retirada de drogas prescritas.

Quantas pessoas têm demência e delirium?

Demência: no mundo todo há cerca 50 milhões pessoas vivendo com demência, com 8 milhões de novos casos todos os anos; como a expectativa média de vida está aumentando constantemente, a demência está aumentando rapidamente em muitos países. 3 Globalmente, quase 1 em cada 10 pessoas acima de 60 anos tem demência, e a prevalência aumenta rapidamente com a idade. 1 As mulheres correm o risco ligeiramente maior que os homens, as chances aumentam com obesidade, diabetes, pressão alta ou outros fatores de risco cardiovasculares. 1
Delirium: o Delirium é muito comum no ambiente hospitalar, especialmente em idosos e doentes. Na verdade, quase metade dos pacientes mais idosos estão delirando quando são admitidos, ou desenvolvem delirium enquanto estão hospitalizados. Como a demência, o delirium aumenta significativamente com a idade, mas em contraste com a demência, o delirium é um pouco mais comum entre os homens do que nas mulheres.

Há maneiras de prevenir demência e delirium?

Demência: não sabemos ao certo como prevenir demência, mas um estilo de vida saudável e ativo que inclui manter o corpo e a mente ativos, e que mantém você socialmente conectado pode ser benéfico. Outras medidas que você pode tomar para reduzir o risco são: parar de fumar, diminuir a sua pressão sanguínea e manter uma dieta saudável e equilibrada quanto aos nutrientes e vitaminas, que indiretamente reduzem seu risco.
Delirium: A melhor maneira de evitar o delirium é remover seus gatilhos. Num ambiente hospitalar pode-se incluir sistemas para manter o ambiente tão calmo e tranquilo quanto possível, proporcionando apoio individualizado os cuidados médicos necessários, e quando possível, evitar medicamentos conhecidos por desencadear o delirium.

Quais são os tratamentos para demência e delirium?

Demência: a perda de memória e outros sintomas de demência podem ter muitas causas, assim, após revisar seu histórico médico e os sintomas, seu médico provavelmente irá pedir outros testes para avaliar suas habilidades de pensamento e movimento e, possivelmente, sua saúde mental. Além disso, pode ser necessário um exame cerebral para verificar se você teve um acidente vascular cerebral ou sangramento no cérebro, ou se você tem um tumor no cérebro, bem como vários testes de laboratório para verificar se há quaisquer problemas metabólicos e nutricionais.
A maioria dos tipos de demência são incuráveis, mas há medicamentos que regulam as substâncias químicas cerebrais envolvidos nas funções cerebrais, incluindo memória, julgamento e aprendizagem que podem ser úteis no controle ou redução dos sintomas. Dois dos tipos mais comumente prescritos de medicamentos são os inibidores da colinesterase e memantina, que é o primeiro de uma nova classe de fármacos para o tratamento da doença de Alzheimer. Outros medicamentos também estão disponíveis para tratar quaisquer sintomas acompanhantes, e há terapeutas ocupacionais especialistas na ajuda, com estratégias para lidar melhor com os desafios do dia a dia e melhorar a qualidade de vida.
Delirium: seu médico provavelmente seguirá um processo similar àquele descrito acima para a demência para decidir se você está ou não delirando. Se você está, seu tratamento será dirigido para eliminar a causa ou causas subjacente(s) e podem incluir por exemplo tratar uma infecção, ou parar ou trocar um medicamento específico que você está tomando para tratar de outra coisa. Seu médico pode também recomendar cuidados adicionais de suporte, para garantir que você mantenha-se hidratado, tratar qualquer dor que você possa ter, mantê-lo orientado em relação ao seu entorno, e ajudá-lo a se recuperar novamente.

Considere o seguinte:

Memantina é o primeiro medicamento em uma nova classe de drogas (chamado receptor N-metil-D-aspartato, ou antagonistas dos receptores NMDA) que foi aprovado para tratar pacientes com doença de Alzheimer moderada a grave. Enquanto os inibidores da colinesterase usado para tratar Alzheimer aumentam os níveis do neurotransmissor chamado acetilcolina, memantina funciona regulando um produto químico chamado glutamato. O glutamato é o sal do ácido glutâmico. É um aminoácido essencial que está envolvido em muitos processos químicos que ocorrem nos organismos vivos, que levam ao crescimento, produção de energia e eliminação de resíduos. No cérebro, no entanto, o glutamato é um importante neurotransmissor que está envolvido na regulação de quase tudo que seu cérebro faz incluindo memória, cognição e aprendizagem. Para seu cérebro funcionar bem, o glutamato tem de estar no lugar certo, na hora certa e na quantidade certa — excesso ou escassez de glutamato é prejudicial. Na doença de Alzheimer, o glutamato em excesso acumula-se quando os neurônios ficam danificados, o que pode ser devastador para o funcionamento de neurônios. A Memantina trabalha bloqueando os efeitos do excesso de glutamato, prevenindo a morte celular e atrasando alguns dos sintomas da doença Alzheimer moderada a grave. Porque a memantina tem um mecanismo de ação diferente, ela pode ser usada em combinação com inibidores da colinesterase, que podem melhorar os resultados por períodos mais longos de tempo.

Quer participar da conversa?

Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.