If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:7:08

Transcrição de vídeo

RKA2 - Drogas psicoativas são drogas que podem alterar nossa consciência. Elas podem alterar nossas percepções, influenciar nossos humores, nos acalmar ou nos fazer sentir mais alerta. Classificamos as drogas psicoativas com base nas ações e efeitos que elas têm em nossos corpos. Quando fazemos isso, chegamos a quatro grupos principais: depressores, estimulantes, alucinógenos e opiáceos. Drogas que são classificadas como depressivas deprimem nossa função do sistema nervoso central. Elas diminuem nosso nível de excitação ou diminuem o nível de estimulação em certas áreas do nosso cérebro. Elas diminuem nossa frequência cardíaca, diminuem a pressão sanguínea, diminuem a nossa respiração. Elas podem causar tontura e falta de coordenação. Elas diminuem nossa velocidade de processamento. Isso é importante porque pode afetar a forma como interpretamos e reagimos às coisas que estão acontecendo ao nosso redor, e nos levar a pensar mais devagar e agir mais devagar. Existem vários tipos diferentes de drogas que se enquadram neste título. Um título chamado de barbitúrico. Estes também são chamados de tranquilizantes. Estas drogas, que às vezes são prescritas para indivíduos para ajudá-los a dormir, ou ajudá-los a se acalmar, eles também são usados em anestesia geral ou como anticonvulsivo. A verdade da questão é que essas drogas não são prescritas com muita frequência por causa dos efeitos colaterais que elas podem ter e porque elas têm um alto potencial de dependência. Elas foram substituídas principalmente por outro tipo de depressivos, que são chamados de benzodiazepinas. Eles são prescritos para a mesma coisa: eles são prescritos para tratar insônia, ansiedade, e também são usados para tratar convulsões, uma vez que deprimem a atividade de controle. O último depressor que quero salientar é o álcool. Pode surpreender você que o álcool seja caracterizado como um depressivo, desde que este é associado a sair em bares, dançar com os amigos. Em vez de produzir um efeito estimulante, o que está realmente acontecendo é que o álcool está diminuindo suas inibições e está diminuindo seu controle cognitivo. Pessoas que geralmente não podem dançar na frente dos outros, o álcool age parando o que geralmente os impediria. Claro, todos os outros sintomas de depressivos também estão presentes no álcool, coisas como falta de coordenação e fala arrastada. A próxima classe de drogas de que eu quero falar são os estimulantes. Se os depressores deprimem o funcionamento do sistema nervoso central, os estimulantes o excitam. Eles estimulam o nosso sistema nervoso central, aumentam nossa frequência cardíaca e pressão arterial, e aumentam o nosso estado de alerta. Quando as pessoas as tomam, elas se sentem mais despertas. Elas se sentem mais alertas e enérgicas. Elas também podem deixar as pessoas realmente nervosas e agitadas (fazem com que elas não consigam ficar paradas). Você provavelmente está muito familiarizado com um estimulante, que é legal, em particular: a cafeína. Ela está na Coca-Cola e na Pepsi, e que ajuda a nos manter acordados. Você pode ter ouvido falar de outros estimulantes também: coisas como anfetaminas, como adernal, e também metanfetaminas e MDMA ou ecstasy. A cocaína também é um estimulante, assim como a nicotina. A nicotina é, de fato, um estimulante, e não um depressivo. Mesmo que isso possa causar relaxamento, também pode tornar as pessoas mais alertas. Uma coisa que quero ressaltar, antes de seguir em frente para a próxima classe de drogas, é que, enquanto depressores e estimulantes são funcionalmente opostos, eles não trabalham necessariamente nas mesmas coisas em nível neuroquímico. Esta é uma das razões pelas quais você não pode realmente tirar uma para se opor aos efeitos da outra. Beber café depois de ter tomado muito álcool não vai realmente deixá-lo sóbrio. Isso fará com que você fique uma pessoa mais alerta e bêbada. A próxima classe de drogas são os alucinógenos, às vezes, referidos como psicodélicos. Estas drogas causam os indivíduos a experimentar percepções distorcidas. Isso pode incluir alucinações, vendo ou ouvindo coisas de maneiras diferentes de como elas realmente são. Eles também podem causar sensações intensificadas: sensações que parecem reais, que podem ser baseadas na realidade, mas realmente diferente do que está acontecendo ao seu redor. Para ficar claro que essas drogas não são estimulantes ou depressivas, mesmo que elas possam dar muita energia às pessoas e, às vezes, acalmá-las muito. Em vez disso, essas drogas são classificadas pelas mudanças de percepção que elas provocam. Isso pode incluir uma tonelada de coisas diferentes além das alucinações, e também pode incluir respostas emocionais, sentimentos de conectividade, mas também mudanças de humor intensas, humor que muda muito rapidamente. E isso traz um ponto realmente interessante sobre os alucinógenos, que é as experiências específicas sentidas pelo indivíduo, que podem ser diferentes dependendo da personalidade individual, onde eles estão ou com quem estão. Estas drogas incluem coisas como LSD (que, às vezes, é chamado de ácido), psilocibina (que é um ingrediente ativo em cogumelos), e também coisas como peiote e PCP. A última classe de drogas de que eu quero falar são os opiáceos, às vezes, chamados de opioides. Estes termos são realmente usados de forma intercambiável, embora haja uma pequena diferença: o termo "opiáceos" é geralmente usado para descrever variedades naturais, enquanto os opioides são versões sintéticas. Como depressivos, opiáceos podem deprimir as funções do sistema nervoso central. Eles podem diminuir a frequência cardíaca e a pressão sanguínea; eles podem causar relaxamento e induzir ao sono. Por causa disso, eles são às vezes agrupados sob o título de depressivos, embora existam distinções realmente importantes entre eles. A principal delas é que, realmente, funcionam em diferentes mecanismos em um nível neuroquímico. Opiáceos também têm um recurso adicionado, e isso também os distingue dos depressivos. Eles são analgésicos, eles reduzem a percepção da dor. Alguns opiáceos dos quais você pode ter ouvido falar incluem a morfina, a codeína e a heroína; incluem outras substâncias, como oxicodona e vicodin. Temos, então, quatro classes de drogas: depressores, estimulantes, alucinógenos e opiáceos. Pode parecer que nada se encaixa perfeitamente em uma categoria ou outra, mas o fato é que esse sistema não é perfeito. Criamos um sistema de categorização e a natureza não o fez. Por causa disso, nem todas as drogas se encaixam perfeitamente em uma categoria ou em outra. Antes de falarmos sobre o MDMA, ou ecstasy, nós o colocamos na categoria "estimulante". Também poderia facilmente ficar na categoria dos alucinógenos, uma vez que causa percepção distorcida e sensações intensificadas. E a cannabis? Para onde vai a maconha? Pode causar distorção perceptual, causando alucinações, mas também pode diminuir a função do sistema nervoso central e causar relaxamento, muito parecido com um depressivo. Claro que isso é apenas um caminho para classificar drogas psicoativas. Também poderíamos classificá-las pelo status de legal, dependendo do quanto elas sejam abusivas.