Se você está vendo esta mensagem, significa que estamos tendo problemas para carregar recursos externos em nosso website.

If you're behind a web filter, please make sure that the domains *.kastatic.org and *.kasandbox.org are unblocked.

Conteúdo principal

Fatores de risco para uso de drogas e abuso de drogas

Visite-nos (http://www.khanacademy.org/science/healthcare-and-medicine) para ver mais conteúdos sobre saúde e medicina ou (http://www.khanacademy.org/test-prep/mcat) para ver conteúdos relativos ao MCAT. Estes vídeos são meramente informativos e não fornecem aconselhamento médico. Estes vídeos não substituem a orientação, diagnóstico ou tratamentos do profissional médico. Procure sempre a orientação de um profissional da saúde qualificado se tiver quaisquer dúvidas a respeito de algum quadro médico. Nunca ignore as orientações de seu médico ou adie a procura do mesmo por causa de qualquer coisa que tenha lido ou visto em qualquer vídeo da Khan Academy. Versão original criada por Brooke Miller.

Quer participar da conversa?

Nenhuma postagem por enquanto.
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.

Transcrição de vídeo

RKA2MB - Eu acho que falar sobre fatores de riscos para abuso de drogas pode ser realmente difícil. Isso porque existem vários fatores diferentes que contribuem para isso, e eu não vou colocar muita ênfase em uma causa específica. Em vez disso, existem vários fatores que se relacionam entre si de maneiras diferentes. Todos esses fatores de risco não garantem realmente que o indivíduo vai se tornar um viciado em uma substância. Vamos falar sobre alguns fatores de risco para abuso de substâncias, elementos que parecem se correlacionar com o abuso de substâncias mais tarde na vida: fatores de risco biológicos, fatores de risco psicológicos e fatores de risco sócio-culturais e ambientais. Vamos começar com os fatores biológicos. Sabemos que, se uma criança tiver um pai que abusa de certas substâncias, ela está mais propensa a utilizá-las também. O fato de gêmeos idênticos terem taxas mais semelhantes de dependência parece implicar que pode haver um comportamento genético para o vício. Isso também é apoiado pelo fato de que as crianças adotadas tendem a se assemelhar a seus pais biológicos mais do que a seus pais adotivos em termos de taxa de dependência. Mas, mesmo que a genética esteja envolvida, e que alguém possa ter uma predisposição genética para o abuso de substâncias, isso não garante que uma pessoa irá desenvolver um problema de abuso de substância e tornar-se mais vulnerável. Outro fator de risco biológico tem a ver com o receptor D2, que é um tipo de receptor de dopamina, que recompensa o cérebro. Alguns estudos sugerem que indivíduos com menos receptores D2 podem ter um maior risco de dependência do que aqueles com quantidades típicas de receptores. Sabemos que muitas substâncias estão associadas a um aumento de dopamina nos circuitos de recompensas no cérebro; e sabemos que o corpo tenta neutralizar os efeitos de drogas até a sua normalização. Então, ao longo do tempo, o corpo vai retirar os receptores de dopamina se muita dopamina estiver presente. E isso irá fazer o indivíduo parar de sentir experiências prazerosas quando eles tomam a droga, significando que eles terão que tomar mais droga para obter o mesmo efeito. Você pode, então, ver como tudo isso seria particularmente ruim para indivíduos que têm menos receptores D2 para começar. Ter menos receptores também pode explicar o fato de indivíduos procurarem drogas em primeiro lugar, porque é preciso mais estímulo para que eles recebam naturalmente qualquer sinal de recompensa. Outro fator de risco biológico para o vício tem a ver com a comorbidade, significando que os indivíduos com certos transtornos psiquiátricos tenham mais probabilidade de problemas de abuso de substâncias também. Um desses distúrbios é o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. E isso realmente faz sentido, porque indivíduos com esse tipo de transtorno tendem a ser impulsivos (e vamos falar nisso depois quando falarmos de fatores de risco psicológicos). Impulsividade, em geral, que parece ser um fator de risco para o vício. Outros distúrbios que, às vezes, podem estar lado a lado com o vício são os transtornos de ansiedade e depressão. E não sabemos ao certo porque esse é o caso, mas alguns pesquisadores sugerem que pode ser porque esses indivíduos estão tentando se automedicar sobre suas condições. No entanto, devemos lembrar também que isso é uma correlação, e, mesmo que possamos estar tentados a concluir que os transtornos mentais levem ao abuso de substâncias, esse pode não ser o caso. Pode ser que o abuso de substâncias cause distúrbios mentais, ou talvez possa desencadear distúrbios mentais naqueles que têm predisposição genética. Ou, talvez, problemas de doença mental e abuso de substâncias possam ser gerados por um terceiro fator, talvez alguma vulnerabilidade genética para ambos. De qualquer maneira, é importante ter em mente, quando discutimos todos esses fatores de risco, que essa correlação não implica sua causalidade. Agora, vamos passar para os fatores de risco psicológicos. Uma coisa que costuma ser muito perguntada é se existe algo como uma personalidade viciante. Enquanto não há um traço único de personalidade que faz uma pessoa ficar viciada, pesquisadores identificaram vários traços de personalidade que parecem estar presentes em muitos indivíduos com problemas de abuso de substâncias. Um destes é a impulsividade. E eu não quero dizer isso no âmbito de uma forma divertida, do tipo: "deixa tudo, vamos para a praia", coisas desse tipo. Quando falamos de impulsividade aqui, nós queremos dizer uma incapacidade de se controlar; a incapacidade de inibir suas ações, mesmo quando confrontado com consequências negativas. Isso é por vezes referido como desinibição comportamental. Outro componente é a busca de sensações, a necessidade de procurar níveis altos de estimulação externa e novas experiências. Há, assim, uma necessidade constante de coisas novas e mais emocionantes na vida, coisas como paraquedismo e esportes radicais. A insensibilidade ao risco também desempenha um papel: essas pessoas que se concentram unicamente nos benefícios das experiências, sem pensar nos riscos. O último fator de personalidade que eu quero falar é o neuroticismo, ou anormalmente tenso e ansioso e sensível ao estresse, e esses indivíduos podem estar em risco porque eles podem tentar minimizar suas reações ao estresse por meio da automedicação. Há outros fatores psicológicos que podem desempenhar um papel, que não são traços de personalidade. Por exemplo, também sabemos que indivíduos que tendem a ter uma pontuação alta nos testes de agressão, ou comportamento agressivo, parecem ter um risco maior de desenvolver dependências mais tarde na vida. A idade também pode desempenhar um papel importante. Pessoas que começam a usar substâncias quando adolescentes têm uma chance muito grande de ter um distúrbio de abuso de substâncias mais tarde na vida. Vamos, agora, para os fatores de risco ambientais. E, aqui especialmente, é importante ter em mente que a presença de qualquer um desses fatores não garante que uma pessoa vá usar ou abusar de substâncias. Em vez disso, estamos olhando para um padrão de fatores ambientais que podem fazer o indivíduo ficar mais vulnerável ao vício. E um desses fatores ambientais mais importantes parece ser a presença de estresse na vida de um indivíduo (estresse na infância, assim como o estresse atual). E sabemos disso por examinar as vidas daqueles indivíduos que têm problemas de abuso de substâncias, bem como a partir de vários estudos em animais. Animais que são colocados em ambientes estressantes tendem a autoadministrar mais substâncias do que animais que não estão expostos a estressores. E, quando falamos "estressores", nós queremos dizer muitas coisas diferentes. Alguns deles podem ser relacionados à família: crianças em famílias com instabilidades conjugais tendem a ter um risco maior, como as que sofrem abuso, seja físico, sexual ou psicológico. E, antes de falarmos sobre evidências de estudos sobre a família, gêmeos e adoção, todos parecem mostrar que os genes desempenham um papel no desenvolvimento do vício. Mas também é possível que possa haver um componente de efeito ambiental na forma de modelagem e imitação. Então, se uma criança assiste aos pais beberem, ou utilizarem outras substâncias, eles podem estar mais propensos a copiar este comportamento quando enfrentam fatores estressores na idade adulta. Falta de envolvimento familiar e supervisão familiar também parecem aumentar o risco de abuso de substâncias: não tendo um vínculo familiar próximo entre o indivíduo e seus pais e seus irmãos. Os amigos de um indivíduo também podem desempenhar um certo papel. Se um grupo de amigos aprova substâncias e as utiliza, um indivíduo tem mais probabilidade de começar a usar. E isso pode ser verdade por várias razões. Uma é que fazemos amizade com pessoas por causa de interesses compartilhados, e, assim, acompanhamos padrões que nossos amigos acreditam ser de autoestima. Outro motivo é a facilitação social. Substâncias são frequentemente consumidas em um ambiente de grupo, e, assim, elas podem servir para aumentar os laços sociais. Não mencionamos ainda, mas é claro que a pressão dos colegas também pode desempenhar um papel. Indivíduos podem ser pressionados a usar substâncias pelos seus amigos: ou, diretamente, dizendo que o indivíduo deve usar essas substâncias, ou, indiretamente, dando a impressão de que é ou será uma parte importante da ligação entre eles. O tipo de comunidade em que um indivíduo está também pode desempenhar um papel. Há uma concentração maior de abuso de substâncias em comunidades com baixo status socioeconômico e que enfrentam a pobreza. Aqueles que não têm educação e não têm emprego parecem estar em maior risco. Mas quero ressaltar algo importante: é que, embora possa haver mais abuso de substâncias dentro dessas comunidades de baixo status socioeconômico, não há necessidade de mais uso de substâncias. Pode ser que aqueles em comunidades empobrecidas tenham falta de uma rede de segurança, como a educação e fortes redes de apoio e estabilidade financeira, que mantêm aqueles em comunidades mais altas de status socioeconômicos de mudar de uso para abuso. A disponibilidade de substâncias também pode fazer uma grande diferença: quando as substâncias estão disponíveis, pessoas são mais propensas a utilizar. E o tipo de droga também pode fazer diferença. Aquelas com taxa de administração rápida (aquelas que são injetadas, cheiradas ou fumadas) são mais propensas a serem abusadas do que aquelas que são ingeridas via oral, porque elas têm efeito mais rapidamente, porque produzem um efeito mais rápido ou uma recompensa mais rápida, e isso faz com que o cérebro forme uma associação mais forte, que torna mais provável que eles vão implorar pela droga novamente. Essas substâncias são eliminadas mais rapidamente, o que torna os usuários mais prováveis a usar novamente para continuar sentindo seus efeitos. E você pode pensar que todos esses fatores ambientais são menos importantes que alguns fatores biológicos e psicológicos de que falamos antes. Mas eu quero que você saiba que isso não é o caso. E, então, eu quero tirar um minuto para falar sobre um estudo que destaca como eles são importantes. Você pode estar familiarizado com o estudo que mostra que um rato sozinho em uma jaula, com acesso a drogas, irá basicamente usar continuamente; às vezes negligenciando comida e água. Mas quero ressaltar que esses ratos são deixados sozinhos em uma gaiola, com literalmente nada mais para fazer. Então, eles estão em um ambiente sem muitas outras opções, exceto o uso da droga. E, para descobrir que efeito isso pode estar tendo nos estudos, alguns pesquisadores construíram o que foi chamado de "parque dos ratos", que era uma grande gaiola cheia de brinquedos divertidos, coisas divertidas para brincar (coisas como bolas e túneis), e também tinha a melhor comida e convivência com outros ratos, tudo com acesso a comida e atividades enriquecedoras. Basicamente era o paraíso dos ratos. Embora os pesquisadores disponibilizassem drogas para os ratos da mesma forma que foram disponibilizadas em experimentos com um rato solitário em uma gaiola não estimulante, os ratos no parque de ratos não abusaram da substância. E, para aqueles poucos ratos que usaram, as quantidades foram muito menores. Mesmo que seja difícil para comparar modelos animais com modelos humanos, acho que é importante considerar o que isso pode ter a dizer sobre o abuso de substâncias em humanos. Falamos sobre fatores de risco biológicos, fatores de risco psicológicos e fatores de risco ambientais. Embora os tenha discutido separadamente, estes três fatores estão realmente interligados. Certos fatores ambientais podem colocar um indivíduo com um fator de risco maior de abuso de drogas, mas só quando essas coisas são combinadas com predisposições biológicas e psicológicas é que eles começam a ter efeito. Ou, dizendo isso de uma maneira diferente: indivíduos com a predisposição biológica e certos traços psicológicos só podem estar em risco se forem colocados dentro de algumas situações ambientais.