Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:11:10

Transcrição de vídeo

Na bronquite crônica, o problema, basicamente é que temos irritantes que levam à inflamação, que levam à produção de muco, que levam à todos os problemas no funcionamento dos pulmões. Vamos escrever - funcionamento dos pulmões. Coisas como não receber oxigênio suficiente, não conseguir expirar. Se esse é nosso tema, então faz sentido pensá-los um a um. Em cada um desses pontos, o que podemos fazer para tratá-los? Irritantes. Primeiro, obviamente, remover o irritante seria o melhor. Então, primeiro com os irritantes, claro, remover a origem da irritação seria sempre a melhor e a primeira coisa que deveria ser pensada. E estou desenhando um cigarro aqui. Não importa quanto eu pareça como um disco quebrado, parar de fumar é muito importante para bronquite crônica porque é a única coisa que interrompe a fonte da piora da doença. Tudo o mais aqui é só tratar os sintomas, mas parar de fumar na verdade interrompe a progressão da doença. Eu quero muito colocar isso como a primeira coisa a se pensar sobre o tratamento. E claro, outras fontes de irritantes podem levar à bronquite crônica, certo? Uma principal fonte da bronquite crônica, especialmente em algumas partes do mundo, é a poluição, e essa é muito difícil de tratar, especialmente para uma única pessoa, você não pode impedir que sua cidade seja poluída. A menos que se mude, não há muito o que pode ser feito normalmente. Às vezes há exposição ocupacional à coisas como carvão ou amianto, dependendo de onde essa pessoa trabalha. É claro que sempre podemos promover ambientes de trabalho mais saudáveis, tentando nos proteger com máscaras ou outras coisas, mas nesse momento, esses são ainda trabalhos de alto risco para bronquite crônica. Claro que podemos ter alérgenos. Sobre isso uma pessoa pode ter algum controle, se souber que tipo de alérgenos são irritantes. Você pode tentar parar, ficar longe deles, o máximo possível, apenas reduzindo tudo isso, e parar de irritar os pulmões é o primeiro passo para tratar a bronquite crônica. Ok, dado que isso já aconteceu, estamos tratando os sintomas. Inflamação é a resposta do corpo aos irritantes. E nos pulmões, parte dessa resposta faz os músculos das paredes dos pulmões espasmar, e assim é que ficamos com tosse, e também as vias aéreas se estreitam em consequência da inflamação. Se desenharmos um corte das vias aéreas aqui, estamos olhando pelo tubo assim, e geralmente num pulmão não irritado o lúmen aqui, deve ser largo assim. Isso é músculo liso e apenas coisas diferentes, camadas da parede, há glândulas, há tecido conjuntivo. Isso é como normalmente se parece, mas quando está irritado, ele espasma e o lúmen fica tão pequeno, que é difícil para o ar passar. Todos esses músculos estão em espasmo, e as paredes estão ficando grossas assim. No nosso caso, haverá um pouco de muco no lúmen também, entupindo-o. Uma maneira importante de tratar isso é vou escrever broncodilatador. Nós já sabemos que bronco primeiro nos pulmões, broncodilatador. Isso basicamente abre a via área de novo. O broncodilatador nos ajuda indo disso para isso. Agora, há diferentes classes de remédios e todas se qualificam como broncodilatadores porque isso tudo significa que a via aérea se abre de novo. Uma classe importante é a agonista beta 2. Um agonista significa que ativa esse receptor. Receptores beta são parte da reação de lutar ou fugir que nosso corpo tem e há os receptores beta por todo corpo, incluindo em nossos corações. E depois tem nossos olhos. Durante a reação de lutar ou fugir, nossas pupilas se dilatam, para que a gente possa enxergar melhor. É claro que como estamos falando sobre isso agora, também é parte dos pulmões. Os pulmões, ele apenas abre a via aérea conforme falamos agora há pouco. Outra classe são os anticolinérgicos. Ao invés de agonistas, esses são antagonistas. ...colinérgico. Isso apenas significa que vão contra o que os colinérgicos costumam fazer. Agora, esse é um caminho completamente diferente, mas faz a mesma coisa em abrir o lúmen das vias aéreas, de forma que possamos inspirar mais ar e o pulmão pode ficar menos inflamado. Outro tipo totalmente diferente, classe diferente de remédios anti-inflamatórios são os esteróides e os inibidores de leucotrienos. Inibidores de leucotrienos. Aqui em cima os broncodilatadores apenas tratam os sintomas da inflamação. Vou escrever isso aqui. O sintoma. Mas aqui quando trazemos os esteróides e os inibidores de leucotrienos esses são nosso trunfo que vão de verdade ao foco da inflamação e a trata. Como a inflamação funciona em nosso corpo é que tem um gatilho, então "T"para gatilho. Ele vai em cascata, um leva ao outro. Temos A que leva à B, que leva à C, que leva à D, .......... ...todo o caminho, o último ponto é um leucotrieno. Chegamos ao fim, inflamação em cascata. A inflamação começou e então nós continuamos. É claro que o inibidor de leucotrienos está aqui. Fica certo bem no último ponto, o produto de toda essa cascata, diminui a inflamação. Com os esteróides acontece mais cedo, digamos no passo C. Os esteróides entram em ação e interrompem a cascata antes aqui. Agora, eu coloquei uma barra aqui, mas não a confunda como sendo parecidas uma com a outra ou intercambiáveis, pois são completamente diferentes. Mas eu as coloquei juntas aqui pois ambas atacam a inflamação em cascata e a interrompem na raiz, ao invés de apenas atuar nos sintomas, como um broncodilatador. Ok, vamos seguir com nosso processo. Agora, para o muco, você deve imaginar que como tossem demais e isso deve ser bem desconfortável, devemos dar supressores de tosse para essas pessoas. Você deve ter visto nas prateleiras, "interrompe a tosse". É importante lembrar que no caso de bronquite crônica, nós não usamos os supressores de tosse, pois o muco já está presente. Queremos que ele saia. De novo, temos nossas vias aéreas aqui e estão cobertas por muco, tem tanto muco aqui e não o queremos. Deixa eu usar uma cor azul pois é meio líquido. Ok, aqui está todo o muco, e tossimos o dia todo. É desconfortável sim. Imagine se a gente desse supressores e eles não mais tossissem, isso estaria repleto de muco, tudo entupido. Isso seria de fato horrível para o paciente, pois quanto mais entupido estamos, mais bactéria teremos. Teremos pneumonia, outras infecções, então não queremos mesmo isso. Por mais que seja desconfortável tossir, infelizmente na maior parte do tempo para quem tosse produtivamente, precisamos deixá-los tossindo, mas podemos usar esses outros tratamentos para diminuir a inflamação. Talvez eles não produzam tanto muco para tentar resolver o problema assim. Por último, é preciso lidar com o fato que os pulmões não estão recebendo oxigênio suficiente, essas pessoas são chamadas de inchados cianóticos, porque possuem baixa concentração de oxigênio no sangue pois as vias aéreas são tão estreitas e há muco, portanto o oxigênio não passa facilmente. Podemos pensar "ok, vamos dar oxigênio a eles". Hoje em dia é relativamente fácil fazer isso no hospital ou em casa, mas eu quero colocar isso entre parênteses, porque sim, muitas pessoas entendem isso, mas em alguns pacientes, especialmente em pacientes muito doentes, temos que ser muito cuidadosos em ministrar oxigênio, e vou explicar porquê. Temos que falar sobre esse assunto, do impulso de respirar. Você não tem que pensar em respirar o dia inteiro, certo? Isso porque algo no seu cérebro nos instrui automaticamente para respirar. Está lá quando você está dormindo. É um impulso muito poderoso, e é importante lembrar que na maioria das pessoas, digamos seu nível de O2 é dessa altura. Seu nível de dióxido de carbono será dessa altura, será menor, e a diferença está aqui. Lembre que o oxigênio entra no sangue quando a gente inspira, e o CO2 sai do sangue quando a gente expira. Se você não está respirando, o nível de CO2 aumenta e o de oxigênio cai. Se eu ou você pararmos de respirar é fato que o nível de CO2 vai subir. Isso é o sinal para nosso cérebro pensar "opa, não estamos respirando" e o impulso de respirar vem à tona. Numa pessoa sem bronquite, é esse o fato que o CO2 está aumentando que nos faz respirar, que sinaliza nosso cérebro, nosso corpo que precisamos manter a respiração, precisamos colocar o gás para fora. CO2 controla o impulso de respirar nas pessoas que não têm bronquite crônica. Ok, isso é saudável. "H"para saudável. Vamos dar uma olhada nas pessoas com bronquite crônica. O que acontece é que o seu nível de O2 já começa baixo, e seu nível de CO2 é maior que o normal. O CO2 estando elevado não mais os faz respirar, os impulsiona a respirar. É o fato de que o O2 está baixo que controla seu impulso de respirar. Se dermos oxigênio à eles aqui, isso pode eventualmente remover o impulso de respirar, como dar a eles oxigênio demais, o corpo vai pensar porque está geralmente confiando no oxigênio para respirar, com oxigênio extra, esse impulso pode acabar, e essa pessoa realmente parar de respirar, especialmente quando estão tendo um ataque de bronquite crônica. O oxigênio é usado mais pode ser perigoso e deve ser usado com cautela, e essa pessoa deve ser monitorada para ter certeza de que ainda está respirando. Por último que só quero dizer que se uma pessoa tem um episódio agudo quando a doença chega num ponto ruim, a trataremos agressivamente com esteróides sim, mas também queremos adicionar antibióticos, pois eles podem estar com uma infecção. Se eles a tem, precisamos tratá-la. E se não, queremos preveni-la, porque o muco extra durante um episódio agudo é capaz de manter a bactéria nos pulmões. Você realmente quer ficar de olho nisso e ter certeza que não desenvolvam pneumonia, além da bronquite crônica. Aqui, em resumo, estão os tratamentos mais comuns para bronquite crônica. Como você pode ver, a maior parte são sintomáticos, o que signfica que não nos livramos da raiz do problema. Lembre-se de voltar ao começo. O que puder ser feito para reduzir a irritação, para começo de conversa, será o melhor para o paciente no longo prazo. [Legendado por Gabriela Moritz] [Revisado por Laís Yamada]