If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:7:06

Transcrição de vídeo

No nosso último video, estávamos já meio que entendendo a ideia de que há uma pressão parcial de oxigênio que é um pouco mais baixa na árvore brônquica que você poderia esperar apenas comparando-a ao ar que você respira. E a razão é porque dissemos, bem, é claro que você tem um pouco de vapor d'água. E é isso que esse pequeno pH2O representa. Essa é a pressão parcial da água nos seus pulmões, porque, claro, é bem quentinho lá dentro. Esse é o 37 graus que eu desenhei aqui em cima. Então eu disse, bem, é claro que isso funciona para 150. E apenas para fazer os cálculos rapidamente, é porque esse FIO2 é 0.21. E multiplicamos por 760 milímetros de mercúrio. Essa é a pressão atmosférica. E subtraia 47, porque essa era a pressão parcial de parte daquele vapor d'água que temos nos nossos pulmões. E é assim que chegamos na nossa resposta de 150. Mas eu disse no último video que, na verdade, esse não é o oxigênio alveolar. Essa á a pressão parcial do oxigênio. Mas não é isso. Veja isso e note que há uma diferença sutil. E a diferença é esse A maiúsculo. E A significa o alveolar, pois está em letra maiúsula assim como esse A aqui também. Então como calculamos a concentração de oxigênio alveolar? Vamos começar de onde paramos, e eu vou encerrar. Vou te mostrar como fazer. Você basicamente tem que pensar nisso do ponto de vista de uma pessoa. Vamos imaginar que você é uma pequena pessoa, e que você está aqui, dentro deste pequeno saco alveolar. Você pode ver que, por um lado, você tem algum oxigênio entrando. É o que eu circulei na seta vermelha. E é tudo isso aqui. Isso é tudo que está entrando. Mas você também pode ver, claro, que os alvéolos estarão liberando oxigênio para um pequeno vaso sanguíneo próximo. Portanto é claro que se houver um saco aleveolar bem aqui, você deve ter também algum sangue passando por ali. E pode haver alguma troca de gases. É óbvio, provavelmente haverá alguma troca de gases. Então você tem alguma coisa entrando do lado do oxigênio, mas você também tem algum oxigênio saindo. E se você tem algum oxigênio saindo, você deve subtrair dessa fórmula o oxigênio que está saindo. E essa será a segunda parte dessa equação. Precisamos descobrir quanto está saindo. Porque de novo, se você ficar de olho naquele x, você quer mesmo saber qual é o estado de equilíbrio do oxigênio no saco alveolar. Quanto está vindo, mas também quanto está indo? Portanto, a qualquer momento durante a inspiração, qual é a verdadeira pressão parcial alveolar do oxigênio? Então temos que lembrar, para dentro e para fora. Então como descobrimos quanto oxigênio está saindo? Bem, a primeira dica é lembrar que você tem um pouco de dióxido de carbono aqui também. Aqui você tem um pouco de dióxido de carbono. E vou me referir a ele como PACO2. E vcocê também tem dióxido de carbono aqui. E vou me referir a esse aqui como PaCO2. E a gente verifica que no vaso sanguíneo no saco alveolar, a concentração de dióxido de carbono é basicamente a mesma. Porque se equilibra muito bem. E esse número verifica-se, é 40. Portanto a pressão parcial de arterial -- e eu poderia facilmente dizer alveolar aqui - mas CO2 arterial, porque isso o que medimos é 40. Então essa é a primeira pista de como nós vamos descobrir quanto oxigênio está saindo. Agora, como usamos o número de dióxido de carbono para calcular quanto oxigênio está deixando o saco alveolar? Aqui é onde as coisas ficam divertidas. Verifica-se que existe uma relação, e a chamamos de quociente respiratório - ...quociente respiratório... E o quociente respiratório -- na verdade algumas vezes eles acabam abreviando para QR. Algumas vezes você verá QR. E o QR é a relação entre oxigênio e dióxido de carbono. É a relação entre essas duas coisas. Portanto, por exemplo, digamos que minha dieta é só açúcares. Digamos que é só que eu como. Para cada 10 moléculas de oxigênio que eu inspiro e uso, as células do meu corpo vão produzir 10 moléculas de dióxido de carbono. Então a proporção - e essa é minha razão de CO2 para O2 - qual será minha proporção? Será um. Isso é 10 vs 10 é um quociente de 1 se você dividir um pelo outro. Agora, digamos que ao invés de açúcares, minha dieta consiste de... não sei, digamos gorduras e lipídios e coisas assim. Uma dieta um pouco diferente. Verifica-se que agora meu corpo está um pouco mais eficiente. E o que eu quero dizer é que com 10 moléculas de oxigênio usadas, seu corpo apens produz 7 moléculas de dióxido de carbono. Portanto é na verdade bem melhor que a anterior. Menos desperdício. Então a proporção acaba sendo melhor - 0.7. Portanto, a proporção é na verdade menor com lipídios. E, é claro, nós temos dietas que são provavelmente mistas. A maior parte das pessoas tem uma dieta mista, não apenas uma coisa ou outra. Então se você tem uma dieta mista, eles estimaram algo na média, e dito, OK, bem, talvez uma proporção de oxigênio para dióxido de carbono é algo em torno de 0,8. Então se eu sei, voltando para nossa fórmula, se eu conheço esse dióxido de carbono, a pressão parcial nos alvéolos ou a arterial é 40 - então deixa eu mostrar isso nessa imagem. Isso significa basicamente que se temos - deixa eu fazer isso com uma cor diferente. Dióxido de carbono está indo do vaso sanguíneo - 40 milímetros de mercúrio - essa é a pressão parcial. Mas isso é óbvio um reflexo de quantas moléculas há, então eu posso apenas dividir pelo quociente respiratório, que é 0.8 - isso me dá uma proporção para pensar. E eu posso dizer, ah, então isso deve significar que isso será 40 dividido por 0.8 o que dá 50 milímetros de mercúrio de oxigênio, O2, que deve ter saído. Então se eu quero descobrir quanto deve saído - são essas setas roxas aqui - eu poderia dizer, ah, deve ser basicamente 50 milímetros de oxigênio saiu, medido em mercúrio. E eu me baseio no fato que eu sei que 40 milímetros de mercúrio em dióxido de carbono entraram. Então por causa dessa relação veja, essa proporção é bem bacana, porque você pode dizer ah, bem, se você sabe que existe uma relação entre os dois, eu posso medir esse negócio, e imediatamente posso obter um bom senso de quanto oxigênio sobrou no meu saco alveolar. E apenas conectando na fórmula você poderia dizer, ok, 150 milímetros de mercúrio é onde paramos aqui, e então subtrair 50, porque isso é mais ou menos quanto oxigênio está saindo. E o valor líquido - meu PaO2 será 100 milímetros de mercúrio, assim. LEGENDADO POR GABRIELA MORITZ