If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:12:04

Transcrição de vídeo

RKA12C Eu considero útil examinar uma definição formal do termo para ter algumas ideias sobre um tópico interessante para este vídeo. O termo para o qual quero olhar é conservação, que foi definida como "o estudo da perda da biodiversidade biológica da Terra e das formas como essa perda pode ser evitada". A biodiversidade é uma parte fundamental da definição de conservação ou de proteção da biodiversidade e pode ser definida de muitas maneiras. Do meu ponto de vista, podem ser classificadas em duas abordagens básicas: uma é a proteção de espécies e a outra é a proteção de locais nos quais essas espécies vivem. Diferentes tipos de técnicas de conservação podem ser aplicadas a essas duas abordagens diferentes, mas, em muitos casos, métodos muito semelhantes podem também chegar aos objetivos. Os conceitos de salvar espécies e salvar lugares podem ser tratados juntos ou tratados separadamente. Vamos começar com técnicas que podem proteger as espécies. A proteção de espécies é valiosa, porque pode ser usada para priorizar quais espécies precisam ser salvas antes da extinção. A proteção das espécies pode incluir a legislação em nível nacional ou local para a proteção de organismos que mais necessitam, tais como a proteção de espécies ameaçadas. Outros tipos de proteção estatuária de espécies podem ser desenvolvidos através de tratados internacionais, como a Convenção sobre o Comércio de Espécies Ameaçadas de Extinção. Esse tratado controla e regula mercados internacionais de animais e plantas selvagens ou suas partes. Eles não são mais levados à extinção ou explorados de formas que são prejudiciais, não apenas aos organismos e à biodiversidade, mas aos próprios mercados. É um exemplo de como os interesses econômicos podem e devem coadunar-se com o meio ambiente. Em alguns casos, a espécie está tão ameaçada de extinção que sua comercialização é proibida. Estima-se que o comércio internacional de vida selvagem envolve centenas de milhões de plantas e animais individuais, resultando em um valor de bilhões de dólares por ano. Portanto, isso não é um pequeno problema... E envolve animais e plantas, bem como produtos derivados de organismos, como alimentos, artigos ligados a couro, madeiras, badulaques, medicamentos e até mesmo objetos musicais. Outra ferramenta de conservação realmente útil é a lista vermelha ou "red list" da União Internacional para a Conservação da Natureza, da sigla, em inglês, IUCN, que proporciona diretrizes úteis que destacam os tipos de biodiversidade ou as espécies que precisam ser protegidas. A maioria das espécies é colocada em uma das sete categorias da IUCN, variando de espécies extintas a menos preocupantes. E essas categorias requerem dados adequados que realcem a importância da investigação sobre a biodiversidade e a divulgação das conclusões. O que eu sempre quis dizer sobre a pesquisa sobre biodiversidade ser um parceiro simbiótico com a educação é que bons dados possibilitam melhores decisões. O IUCN destaca o que é crucial na pesquisa sobre a natureza. Se você tiver os dados certos, pode colocar uma espécie em uma das sete categorias diferentes. Categorias são realmente úteis para a educação, bem como para fazer políticas de proteção e mesmo para ajudar a angariar fundos para mais pesquisas, mais educação e conservação. Outra técnica de proteção de espécies envolvendo o estabelecimento são os planos de sobrevivência de espécies. Quando os cientistas acreditam que os programas de criação em cativeiro podem ajudar a prevenir a extinção, um plano de sobrevivência para espécies pode ser desenvolvido para espécies que estão em perigo de extinção no meio silvestre. Eles ajudam a manter em cativeiro um reservatório de populações saudáveis de espécies de animais ameaçados de extinção, populações que mantêm a diversidade genética por meio de uma comunidade dentro de jardins zoológicos e aquários aprovados. Para manter esses programas de criação na América do Norte, há mais de 170 espécies cobertas por mais de 100 planos formais de sobrevivência especificamente destinados a tentar manter populações de espécies que podem, ou não, ainda existir no meio selvagem. Alguns planos de sobrevivência de espécies são especificamente destinados a reintroduzir essas espécies de volta ao meio selvagem. Devo dizer algumas palavras breves sobre o conceito de reintrodução. Reintrodução é como fazer uma cirurgia de alto risco em um ecossistema complexo. Pode ser comparada ao seu próprio corpo em uma cirurgia, onde é difícil de saber se está indo para o sucesso ou se, talvez, vai introduzir mais problemas no caminho. E é sempre cara! Mesmo com programas de reintrodução de espécies em ecossistema selvagem. Eles podem ser arriscados e caros, mas, também como a cirurgia, em alguns casos, a reintrodução pode ser realmente eficaz como último recurso para salvar vidas. Esses programas estão trabalhando lentamente para salvar algumas espécies de plantas raras, o órix e o grou-americano. Existem guias de reintrodução. Eles precisam ser adequados, adequados para a reintrodução de uma espécie específica. Aqui, temos o esforço de sobreposição, não apenas para salvar uma espécie individual. Mas, para falar sobre preservação e restauração, não é muito bom soltar o grou-americano em qualquer lugar na natureza. É necessário haver uma área úmida o suficiente, para que ele dance em torno, acasale e encontre comida... Para deixá-lo fazer as suas coisas. A despesa que colocamos nesses esforços vale a pena em cada passo do caminho, porque isso é muito mais que apenas contar os indivíduos que você pode salvar. O grou-americano é um animal magnífico que simboliza algo especial sobre os ambientes únicos e lugares selvagens que, em geral, as pessoas realmente querem assegurar. Pessoas focam a atenção em animais magníficos como o grou-americano, que simboliza a importância de tentar salvar, não apenas os indivíduos de espécies, mas lugares inteiros onde essas espécies podem continuar a existir. E há benefícios nesse tipo de conservação. Essa técnica de reintrodução inclui a conscientização pública, uma oportunidade de ensino que foca mais na consciência sobre os problemas globais de perda de biodiversidade. Vamos explorar mais sobre o que significa conservar lugares na natureza. Sem dúvida, essa é a maneira mais poderosa de proteger a biodiversidade porque, ao salvar um lugar, você provavelmente estará salvando ecossistemas inteiros. Isso porque você está salvando habitat, e essa abordagem representa uma oportunidade para proteger a biodiversidade de lugares únicos na Terra, por meio da promulgação de políticas públicas sobre lugares como hotspots de biodiversidade. Novamente, isso une pesquisa e educação para ajudar a promover e expandir a ideia de salvar um lugar inteiro. Agora, alguns lugares foram protegidos simplesmente pelo afastamento. Pense na Antártida, por exemplo. Apesar de parecer áspero, sem vida, é um lugar frágil, cheio de vida e que está constantemente sob pressão de algum tipo de extração de recursos, como a pesca. Felizmente, até agora, a biodiversidade antártica tem sido capaz de evitar danos causados pela atividade humana, mas apenas pela sua distância: é um lugar mais difícil de se chegar e ganhar dinheiro. Mas, à medida que a tecnologia melhora, a proteção passiva do afastamento em breve desaparecerá. Naturalmente, outros locais mais ameaçados pela invasão têm sido apontados para um status especial, como parques protegidos. Na minha juventude, até tínhamos lugares chamados de áreas de conservação em Ontário, onde eu cresci. Certamente, como uma criança, eu amei ser capaz de caminhar através dessas áreas de conservação e ver coisas que não iria ver em qualquer ambiente urbano, eu estava cercado por eles. Eles são uma grande influência sobre minhas ideias iniciais e a esperança de estudar e proteger esses lugares. Todos sabem sobre o sistema de parques nacionais dos Estados Unidos, que vem sendo a melhor ideia da América. Pode-se argumentar que, sem os parques e as regiões protegidas que foram estabelecidas em todo o mundo, a biodiversidade teria tido um impacto ainda maior do que tem até agora. No mar, áreas protegidas marinhas estão em partes de conservação da água para organismos como peixes que, de qualquer forma, seriam sujeitos a sobrecarga, o que reduziria a diversidade e causaria mudanças negativas nos seus ecossistemas marinhos protegidos. Áreas marinhas protegidas podem permitir que populações, como em reservatórios, repovoem áreas circundantes. Um bom exemplo disso é nas Filipinas, onde um corpo de água já tem manchas de ecossistema de recifes de corais, que são áreas marinhas protegidas. Mas imagine se toda passagem pudesse se tornar um gigante, onde funções de recuperação e reservatório pudessem ocorrer com a exploração total da parte especial. O triângulo de corais poderia permitir que a passagem atue como uma espécie de bomba para corais e outros recifes, distribuindo-os para áreas mais impactadas nas águas circundantes. A passagem da ilha tem mostrado resiliência a doenças de coral em relação a áreas adjacentes que sofrem de degradação ambiental mais rapidamente, porque ela tem esse reservatório de biodiversidade inigualável. A própria passagem da ilha funciona como um vizinho, um importante vizinho com ecossistema funcional que faz quatro serviços de ecossistemas fortes. Enfim, quero mencionar um campo emergente chamado de genética de conservação, que visa, não a proteção de espécies, mas de vários níveis de diversidade biológica a partir das características genéticas para variar entre as populações até as várias populações que compõem uma espécie. E, claro, isso inclui a diversidade genética mantida dentro de ecossistemas inteiros. A conservação genética é uma maneira potencialmente poderosa de considerar técnicas de conservação e uma nova forma de avaliar o valor de proteção e conservação de diferentes ecossistemas. Essencialmente, outro instrumento na ferramenta de abordagem de conservação inclusiva, como esta, exige uma abordagem rigorosa de diversos dados que dependem da ciência das linhagens evolutivas, um material de como a biodiversidade é gerada ao longo do tempo e do espaço. Toda essa ciência nos ajuda a melhor entender quais tipos de organismos são mais cruciais para uma dada área ou para uma dada linhagem e como a proteção da biodiversidade pode ser eficaz pelas técnicas de conservações adequadas. Técnicas de que precisamos agora mais do que nunca!
O conteúdo de Biologia foi criado com o apoio da Fundação Amgen