If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:13:33

Transcrição de vídeo

neste vídeo a gente vai ver como formar em minas e na minas começando aqui pela formação de manhã e mina a gente tem aqui um aldeído ou uma se torna agente adicionar uma mina e um catalisador ácido dessa forma se o nosso y for igual a 1 hidrogênio ou o grupo alquila que eu vou colocar aqui como é duas linhas a gente vai ter como resultado uma e mina vamos escrever isso aqui então o y podem ser outras coisas também ea gente vai falar disso no próximo vídeo a gente vai formar que também a água então se a gente quiser deslocar o equilíbrio a gente pode remover a água então a gente diminui a quantidade de água e dessa forma a gente desloca o equilíbrio para a formação do nosso produto vamos dar uma olhada agora no mecanismo da formação de uma menina ea gente tem duas formas de começar esse mecanismo primeiramente a gente vai pensar em um ácido tanto presente então a gente tem aqui um ato genérico h mais e agora nossa carbonila vai ser produtor nada então um desses pares de elétrons pode pegar esse próton deixando esses elétrons para trás vamos ver o que a gente tem como resultado disso a esquerda a gente tem um grupo r aqui a gente tem a nossa ligação dupla com oxigênio ele tem um par solitário de elétrons e agora e tem uma carga positiva que ele está ligado aqui ao hidrogênio e aqui pra direita gente ainda tem o grupo r linha usa elétrons aqui em lilás pegaram esse próton e agora fazem essa ligação entre oxigênio eo hidrogênio a pronação de só que esse gênio da carbonila torna esse carbono um bom eletrógeno e aqui em cima a gente tem essa mina que pode ser um bom nuclear filo então esse par solitário de elétrons podem se ligar a esse carbono o que vai empurrar esses elétrons aqui pro oxigênio vamos ver o que a gente tem como resultado disso agora o nosso carbono vai estar ligado ao nitrogênio seguindo os elétrons esses elétrons aqui que vou pintar em azul agora fazem essa ligação entre o carbono e nitrogênio esse nitrogênio ainda tá ligado a dois hidrogênio se ele está ligado também ao grupo y e ele tem uma carga positiva carbono ainda tá ligado ao nosso oxigênio e esse oxigênio agora tem 2 para os solitários de elétrons os elétrons aqui em verde foram deixados no oxigênio então eles estão aqui agora além disso carbono está ainda ligado aos grupos alquila então grupo r e o grupo r linha considerando que a gente começou esse mecanismo uma cetona outro jeito de começar esse mecanismo a gente tem essa menina e ela vai funcionar como núcleo off logo aqui no começo a gente tem um estrogênio ligado a dois do genius e ao grupo y e aqui na carbonila esse oxigênio é parcialmente negativo e esse carbono é parcialmente positivo o que significa que esse carbono é um eletrólito flu então o pai de elétrons solitários descrito o gênio pode explicar a esse carbono e esses elétrons empurrados aqui pro oxigênio agora o nosso carbono está ligado aqui o nitrogênio esse nitrogênio continua ligado aos dois hidrogênio que ele já estava ligado e também ao grupo y esse nitrogênio tem uma carga positiva e agora o nosso oxigênio vai ter três pares solitário de elétrons então vamos desenhar esse três pares e ele fica com uma carga negativa aqui pra baixo a gente vai ter os nossos grupos alquila então grupo r e o grupo r linha seguindo os elétrons esses elétrons aqui do nitrogênio que eu vou pintar em azul agora fazem essa ligação entre o carbono e nitrogênio e esses elétrons pique eu vou pintar aqui em verde foram deixados no oxigênio então eles estão bem aqui e agora a gente pode pensar nesse intermediário se transformando nesse outro intermediário que a gente tinha falado basta a gente pro tornar esse oxigênio então aqui a gente vai ter a presença do nosso ato genérico o h a mais esse par solitário de elétrons pode então pegar esse tom deixando esses elétrons para trás dessa forma a gente acaba com esse intermediário aqui é assim que a gente forma esse intermediário a gente pode pensar na nossa base nessa mina aqui pegando esse próton deixando esses elétrons aqui pra trás no nitrogênio vamos ver o que a gente tem como resultado disso vamos liberar um espaço de para baixo então a gente vai ter o nosso carbono ele está ligado a esse nitrogênio o nitrogênio está ligado a um hidrogênio e ao grupo y e agora ele tem um par solitário de elétrons esse par solitário da diplomação do nitrogênio então esses elétrons aqui é que foram deixados nesse nitrogênio carbono ainda tá ligado a um grupo h então a gente tem aqui um oxigênio e um hidrogênio e ele está ligada também aos grupos alquila então o grupo rtp à esquerda eo grupo r linha aqui pra direita esse intermediário é chamado de carbono lâmina então vamos deixar esse escrito aqui a gente está falando aqui de uma carga de nolan mina a nossa próxima etapa a gente pode protocolar o grupo h então a gente vai ter que de novo nosso sócio do genérico o h mas esse par solitário de elétrons pode pegar esse próton deixando esses elétrons para trás vamos liberar um espaço que para baixo então se a gente pro tornar a nossa cabine lâmina a gente vai ter aqui o carbono o nitrogênio aliado a um hidrogênio e itália do grupo y aqui para baixo a gente vai ter os nossos grupos alquila então aqui o grupo r e o grupo r linha e com a protelação do grupo h a gente forma uma molécula de água com um bom grupo de saída esse oxigênio até agora uma carga positiva esse par solitário de elétrons pegou um próton então agora está fazendo essa ligação aqui do oxigênio com hidrogênio na próxima etapa a gente vai ter a água como um grupo de saída então se esses elétrons se moverem aqui bloco xxi gênio esses elétrons do nitrogênio podem se mover para cá formando uma ligação dupla vamos ver como fica a nossa molécula e essa etapa que a gente vai ter água com um grupo de saída então - h2oh agora o nosso carbono faz uma ligação dupla com nitrogênio e esse nitrogênio continuar ligado ao grupo y e ao hidrogênio ele tem uma carga positiva e aqui pra baixo a gente vai ter os nossos grupos alquila então grupo r e o grupo r linha os elétrons que eu vou pintar a king laís se moveram pra cá então formando essa ligação dupla entre o carbono e nitrogênio isso que a gente acabou de formar é uma estrutura muito importante ea denominada um hemínio vou escrever isso aqui então um hemínio na nossa última etapa a gente vai dispor o tornar o nosso e um início então a gente vai ter aqui de novo a nossa base e esse pai solitário de elétrons pode pegar esse próton que vai deixar esses elétrons aquino nitrogênio vamos ver como fica o nosso produto final a gente vai ter aqui o nosso carbono ele faz uma ligação dupla com nitrogênio eo nitrogênio é ligado ao grupo y ele tem um para o solitário de elétrons aqui pra baixo carbono vai ter ligado aos grupos alquila então grupo r e o grupo r linha seguindo os elétrons esses elétrons aqui em azul foram deixados aqui no nitrogênio e mais uma vez se o nosso y forum hidrogênio ou grupal kila a gente formou uma m né vamos dar uma olhada agora em um exemplo a gente tem aqui é ciclo ex e nona ea gente tem uma mina primária esse nitrogênio tá ligado a um carbono apenas a gente está lidando então com uma a mina primária e o nosso catalisador ácido vai ser o ácido sulfúrico h2so4 agora para descobrir qual é seu produto dessa reação a gente pode pensar em algumas etapas chave do nosso mecanismo então a gente sabe que esse par solitário de elétrons do nitrogênio vai ligar a esse carbono da carbonila a gente sabe também que a gente vai perder um dos prótons da nossa mina então vamos dizer que é esse próton aqui ea gente sabe também que a gente vai perder uma molécula de água então - h2oh essas etapas levam a gente para a formação do imne o perdão a água então aqui pra cima a gente vai ter uma ligação dupla com nitrogênio esse introjetar vai ter um grupo e tio ligado a ele e ele ainda está ligado um próton então ele vai ter uma carga positiva e esse é o nosso iam hemínio e na nossa última etapa a gente pode ter a nossa mina funcionando como uma base então vamos desenhar a nossa menina aqui esse par solitário de elétrons pode então pegar esse próton o que vai fazer esses elétrons se mover e aqui pro nitrogênio formando assim a nossa imagina então a gente vai ter aqui o nosso anel de carbonos aqui pra cima a gente tem uma ligação dupla com nitrogênio e hidrogênio está ligado ao grupo e tio ele tem um par solitário de elétrons seguindo os elétrons esses elétrons aqui em azul foram deixados no nitrogênio formando a nossa imagina uma coisa que a gente tem que prestar atenção no nosso e um 'mini ué que a cnet um próton ligado a ele então a disputa na ação do nosso e minho levou à formação de uma m na lembrança que nesse mecanismo a gente utilizou uma mina primária vamos ver agora o que acontece quando a gente reaja uma cetona com uma mina secundária dessa vez o nitrogênio tá ligado aqui há dois carbones então nesse caso a gente tem uma a mina secundária a gente sabe que esse para a solitária de elétrons se ligar a esse carbono aqui a gente sabe também que durante o mecanismo a gente vai ter a perda de um próton do nitrogênio ea gente só tem esse próton aqui ea gente também vai perder uma molécula de água então - h2o e isso vai dar pra gente nosso irmão emílio tô aqui a gente tem o nosso anel de carbonos aqui pra cima a gente tem uma ligação dupla com nitrogênio e esse nitrogênio está ligado a dois grupos e tio e aqui a gente vai ter uma carga positiva nesse nitrogênio essa situação é um pouco diferente da que a gente aqui em cima aqui o nosso eo emílio ainda tinha um próton para ser tirado dele que não é o que acontece na nossa situação aqui embaixo então a gente vai ter que tomar essa molécula em outro lugar então pegando um carbono adjacente esse carbono aqui vai ter um hidrogênio ligado a ele a nossa mina pode funcionar com uma base então vamos desenhar aqui a nossa mina esse par solitário de elétrons podem então pegar esse próton isso vai empurrar esses elétrons pra cá e esses elétrons aqui pro nitrogênio do nosso produto final então a gente vai ter aqui o nosso anel de carbonos aqui a gente tem uma ligação dupla agora aqui pra cima uma ligação simples com nitrogênio ele está ligado a dois grupos e tio e ele tem um par solitário de elétrons seguindo os elétrons esses elétrons aqui em hilla e se moveram pra cá formando essa ligação dupla e os elétrons aqui em azul se o verão que o nosso nitrogênio e dessa forma a gente acaba com um produto diferente esse produto é uma e na mina então vamos escrever isso aqui só que ama e na mina e esse nome vem do fato de que a gente tenha uma ligação dupla também aqui e na parte superior da molécula a gente tem aqui uma menina tão bem dessa vez a gente obteve e na mina porque o nosso irmão emílio foi diferente porque a gente começou esse mecanismo com a mina secundária por isso é importante prestar atenção em qual tipo de amina a gente vai ter nesse mecanismo se foi uma mina secundária a gente vai acabar com uma e na mina