If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Transcrição de vídeo

RKA11E Quando você olha para uma filmagem ou fotografias como essa de astronautas no espaço, não parece que existe gravidade atuando aqui. As coisas não estão caindo, na verdade, nem dá para gente saber direito o que é para cima ou para baixo, tudo simplesmente flutua. Se eu empurrasse essa parede para fora, eu flutuaria nessa direção. Por isso, não parece que há uma influência grande, como a da gravidade, que fica tentando puxar tudo para baixo. Mas a questão é que esses astronautas não estão realmente tão longe assim de um corpo supermassivo. Na verdade, o ônibus espacial se levanta apenas algumas centenas de km acima da superfície da Terra. Então, o ônibus espacial, se eu fosse desenhá-lo em escala, provavelmente estaria bem ali. E sabemos que a força da gravidade entre dois objetos é igual a "G" maiúsculo, a constante gravitacional, vezes a massa do primeiro objeto, vezes a massa do segundo objeto sobre a distância entre os dois objetos ao quadrado. E se o ônibus espacial está bem aqui, apenas algumas centenas de quilômetros acima da superfície da Terra, este "r" não é muito diferente, ele está um pouco, está um pouco mais longe do que a superfície da Terra. E lembre-se que "r" é medido a partir de onde você está, ao centro, ao centro da Terra. Realmente, "r" é o centro do objeto ao centro da Terra. O centro da Terra representa uma maior parte da distância aqui. Se eu estou na superfície da Terra, ou se estou apenas algumas centenas de km acima da superfície da Terra, não vai mudar o "r" tão drasticamente, especialmente nas curvas do percentual. Quando você olha dessa forma, percebe bastante claro que a força da gravidade para alguém que está no espaço, a apenas algumas centenas de quilômetros acima da Terra, não deveria ser muito diferente da força da gravidade para alguém que não está na superfície da Terra. Então, minha pergunta para você é: o que está acontecendo? Se deve existir gravidade no espaço, como temos essas fotos de pessoas flutuando desse jeito? E a resposta é que existe gravidade no espaço, e essas pessoas na verdade, estão caindo. O que ocorre é que elas estão apenas se movendo rápido o suficiente em relação à Terra. Deixe-me mostrar melhor para você do que estou falando. Então, se eu pegasse um, se eu... Vamos ver, eu estou sentado aqui na África, e talvez eu fosse bom de estilingue, tivesse uma mira ótima, e atingiria com estilingue alguma coisa super-rápido, talvez um ângulo de 45°. Pode ser que isso aqui saísse um pouco de rota, e acertasse um outro ponto, enfim. Isso realmente seria um tiro de estilingue fenomenal, um super estilingue mesmo. Eu fiz viajar uns milhares de quilômetros, pelo menos mais de mil quilômetros. Se eu fizer com que ela vá um pouco mais rápido, se eu colocar um pouco mais de força, ele pode ir um pouco mais longe, mas acabará por cair de volta na Terra. Vamos tentar impulsioná-lo um pouco mais rápido que isso. Ainda assim ele vai cair na Terra. Vamos impulsioná-lo ainda mais rápido que isso. Bem, ainda assim acabará caindo na Terra. Bem, eu acho que você pode ver onde isso vai dar. Quer ver? Vamos mais rápido ainda do que isso. Então, se formos mais rápido que isso, eventualmente ele vai cair na Terra ainda mais rápido do que isso. Então, se você se você estiver jogando um objeto ainda mais rápido do que isso, ele iria muito longe e depois cairia na Terra. Eu acho que você vê o que está acontecendo. Cada vez que você vai mais rápido, você joga esse projétil para fora mais rápido, ele chega cada vez mais longe. E toda vez que você atira com estilingue, ele está tentando cair no chão. Mas vai chegar uma hora que você vai atirar tão rápido, que ele vai continuar indo, indo e vai errar a Terra. Portanto, ele continuaria indo em volta, e um projétil como esse estaria em órbita. Então, o que acontece, é que se não existisse gravidade para esse projétil, o projétil iria direto para o espaço. Mas porque existe gravidade, ela está constantemente puxando-o para o centro da Terra. Ou, vamos dizer melhor, o centro desse projétil e o centro da Terra estão se puxando um na direção do outro. Eu acho que essa é a melhor maneira de pensar nisso. A força da gravidade que está fazendo assim, e assim, ela está curvando a trajetória do projétil e se ele estiver indo rápido o suficiente, ele simplesmente continuará indo ao redor da Terra. E já que praticamente não existe ar, se você estiver em um lugar muito alto, especialmente na altitude em que o ônibus espacial está, não há resistência perceptível. Essa coisa pode continuar indo por uma quantidade de tempo considerável. Embora, veja bem, existe apenas um pouco de resistência. E é por isso, que com o passar do tempo, você tem satélites que desaceleram, porque existe apenas um pouco de resistência do ar. Então, a resposta a esse enigma é que realmente, existe gravidade, não é um ambiente livre de gravidade. O fato é que os astronautas, e o ônibus espacial, e tudo mais que está no ônibus espacial, estão todos caindo, mas estão se movendo rápido o suficiente para nunca atingirem a Terra. Continuam errando a Terra, continuam indo ao redor, mas estão sim, sob influência da gravidade. Se eles diminuíssem a velocidade, se eles simplesmente brecassem em relação à Terra, e se fosse você sabe, se brecassem bem ali, eles simplesmente despencariam para Terra. Então, não é que eles estão a 500 ou 600 quilômetros que a gravidade de repente desaparece. A influência da gravidade continua em algum nível, ela pode ficar notavelmente pequena em alguns pontos. Mas definitivamente, há apenas algumas centenas de quilômetros no ar, existe sim gravidade. É que os astronautas e o ônibus espacial, simplesmente estão em órbita e apenas continuam caindo, eles nunca vão atingir a Terra. E se você quiser simular a gravidade, e é assim que a Nasa simula gravidade, basta colocar pessoas em um avião, no conhecido Cometa do Vômito, que é famoso por causar enjoo nas pessoas, e fazer esse avião voar em um movimento de projétil. Portanto, este aqui é o chão. Eu disse agora há pouco um movimento de projétil, mas deveria dizer uma trajetória parabólica. O avião decola e segue uma trajetória exatamente igual a alguma coisa em queda livre ou em trajetória parabólica. Assim, qualquer pessoa sentada nesse avião vai experimentar queda livre. Então, se você já fez bungee jumping ou sky diving na sua vida, ou até mesmo se você vai a uma montanha russa e tem aquela sensação de que quando ela está lá em cima, e está te puxando para baixo, seu estômago fica livre e um pouco enjoado, essa é a sensação de queda livre. Essa a mesma sensação que esses astronautas sentem, porque eles estão em um estado de queda livre constante. Mas essa seria uma sensação imperceptível se estivesse no espaço sideral, e se não estivesse em nenhum lugar perto de massa visível. Essa é uma sensação idêntica que você teria, caso não tivesse força gravitacional a sua volta. Então, eu espero que isso se esclareça as coisas um pouco. Para alguém que está sentado em um ônibus espacial, sem janelas por perto, não há como saber se está perto de uma massa de objeto ou se está em queda livre. Se está em órbita, ou está longe de qualquer massa de objeto. Ou se está em um lugar onde há realmente muito pouca gravidade.