If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:15:00

Transcrição de vídeo

olá pessoal nesse vídeo nós vamos falar sobre interferência defenda a única e se eu fosse vocês eu já estaria de certa forma decepcionado porque interferência por si só significa que eu tenho ondas que eu tenho ondas por exemplo chegando de algum lugar e elas estão interferindo e sobrepondo umas às outras e isso pode causar uma interferência construtiva uma interferência destrutiva e pelo menos no caso da fenda dupla então deixou desenhar aqui uma fenda dupla então pelo menos no caso da fenda dupla eu tenho uma onda que pode chegar aqui pode chegar aqui o melhorzinho isso demanda diferente ela pode chegar por exemplo eu vou só deslocar um pouco aqui ela pode chegar aqui então nesses buracos ela se ela se desfrutar ia isso causaria novas frentes de onda novas frentes de onda que então e ao interagir e acabar por exemplo maior aqui e ao interagir e acabar criando esses padrões de interferência mas como isso acontece no caso da fenda única isso não faz muito sentido faz e na verdade isso faz todo sentido por causa de um princípio muito importante chamado princípio princípio princípio de rio grande rio disse james williams a pronúncia certa desse nome desse cientista r - porque ele era o holandês mas geralmente as pessoas falam ryan e organizou algo desse gênero e dá certo então eu vou falar desse jeito também então o princípio de irrigantes fala que eu tenho uma onda se eu tenho uma onda se propagando se eu tenho uma onda se propagando cada ponto dessa onda cada ponto dessa onda vai se comportar ou pode se comportar como uma nova frente de onda isso significa que vou pegar esse ponto aqui eu posso desenhar novas frentes de onda que vamos pagar dessa maneira eu tenho uma nova frente de onda aqui que vai pagar 10 a maneira e eu tenho infinitas frentes de onda que vão se propagar junto com essa minha frente de onda principal aí você pode se perguntar puxa vida mas isso isso é loucura sabe como que assim eu tenho uma onda com várias frentes de ano se propagando e na verdade o que acontece é que todas essas ondas todas as bombas que foram são criadas na frente de onda por causa do princípio de irrigantes elas acabam se cancelando então o que você acaba vendo é essa onda normal na verdade nós não acabam se cancelando o que falei besteira elas acabam se sobrepondo interferindo umas com as outras até então resultar só nessa frente de onda principal então agora a gente já pode entender o que acontece na verdade não é que a onda se de fraca quando chega nesse buraco quando chega nessa venda ela já estava se tratando muito tempo antes a gente só não conseguir ver então um então eu posso desenhar minha onda aqui posso desenhar minha onda aqui e agora eu sei que quando ela passar por essa fenda ela vai se desfrutar em vários pontos por exemplo se eu vou desenhar dois só pra começar então comecei a se enfrentar em vários pontos aqui e isso causaria os padrões de interferência que a gente vê nesse experimento aliás é um dos experimentos mais bonitos da física na minha opinião não tinha pagar tudo aqui tinha pagar tudo aqui para ficar ocupando um espaço desnecessário o espaço desnecessário então agora nós vamos desenhar o que acontece no nosso anteparo nosso preparo que essa parede que fica aqui no final nós vamos ter um pico de luz um pico de luz que fica bem no meio bem no meio de hoje à lusa está incidindo então isso começa a decair de cair até chegar a um ponto em que 10 então eu tenho uma nova uma nova subida no pico de luz e assim vai zero de novo e até isso de certa forma morrer nessa peça usa acabar então aqui eu fiz um pouco errado tio só mais encanto daqui então aqui eu tenho para diminuindo até chegar 10 então volta a subir um pouquinho novamente vai pronto mais ou menos assim sim então agora eu vou analisar eu vou analisar um ponto de interferência destrutiva e pra isso eu vou pegar esse primeiro ponto aqui pode ser um ponto habitado mais eu vou pegar esse primeiro ponto de interferência destrutiva então como ele é o primeiro ponto interferência destrutiva eu vou desenhar 8 pontos para analisar aqui o desenho 8 pontos para analisar geometricamente aqui só que lembrando que a onda incide aqui e cria infinitas frentes de onda mas para desenhar e fritas infinitas frente chorando aqui eu demoraria muito tempo então por isso eu vou desenhar só 88 pontos que eu vou poder analisar mais facilmente então o primeiro ponto segundo ponto terceiro ponto 4.5 sexto sétimo corte a pagar aqui e fazer o oitavo então sétimo e agora finalmente o oitavo ponto rock então como eu como tenho esse vai ser meu primeiro ponto de interferência destrutiva até o ponto fica um pouco mais para baixo do que dele o diretor desenhada de um pouco mais pra cima mas como ele vai ser o primeiro ponto interferência destrutiva eu vou dizer que o meu delta x a minha diferença entre o a distância andado pelas ondas até chegar a esse ponto vai ser de meio lambda meio lambida eo que isso significa bom significa que se essa minha primeira fonte de luz levou o caminho é vamos opor meio andré para chegar aqui a outra que eu vou pegar aqui justamente um a a mais tipo metade do caminho dessa foi mandada para a próxima justamente essa daqui teria andado um caminho teria andado um caminho landa sobre dois a mais que a primeira onda então só para terminar de colocar os dados aqui essa linha distância essa linha distância eu vou chamar essa minha abertura eu vou chamar de l então qual que vai ser a minha distância em tecido entre essas minhas duas fontes de luz essa distância vai ser l sobre dois lembre se divide em oito pontos peguei o quinto a partir do primeiro então isso aqui vai ser l sobre dois você pode testar geometricamente e ver que isso funciona então se desenhasse a minha frente de onda a desculpa encaminha a minha linha reta que faz um ângulo de 90 graus com minha fonte de luz de baixo e vê qualquer diferença no caminho andado por elas eu veria que essa diferença é justamente landa sobre dois que é seu delta x que eu chamei aqui porque meu primeiro ponto de referência destrutiva e a gente já tem a equação que descreve que descreve tudo isso que a gente já viveu essa equação e é de selo de teta de ser de teta igual a eni lambda e eu quero mostrar que para tudo n inteiro para tudo e me inteiro essa equação vai me dar uma interferência um ponto de interferência destrutiva ok então trocando o meu de poele sobre dois eu vou ficar com l sobre dois l sobre 2 c no de tetas e no de teta e isso daqui vai ter que ser igual a lambda sobre dois que é seu delta xis aqui eu coloquei e na irlanda mas eu me adiantei um pouco deveria ter colocado simplesmente um delta x que a diferença entre o caminho percorrido pelas duas fontes então esse meu delta x vai ser igual a holanda sobre dois estão lambda sobre dois agora esses dois se cancela e eu fico com lcd teta igual a lambida então nos últimos vídeos quando dava um número inteiro a gente tinha uma interferência construtiva mas o que eu quero mostrar que nesse vídeo e na maior parte dos casos essa interferência vai ser destrutiva então no meu primeiro ponto eu tenho uma interferência destrutiva com um n aqui eu tivesse muito aqui na frente seria um número inteiro e agora o ponto que eu quero chegar pra provar que aqui é um ponto totalmente destrutivo é que para qualquer ponto que eu pegar aqui todos eles vão me dar todos eles vão me dar o mesmo número inteiro luanda inteiro e com como provar isso eu vou fazer pra todos esses oito pontos então se eu pegar no ea próxima fonte de luz minha próxima fonte de luz e o ponto logo a metade depois dela o meu ângulo teta continua sendo igual se esse mesmo anteparo estiver suficientemente distante então essas linhas um com aproximadamente paralelas da nossa minha aproximação continua valendo então eu vou ter agora a mesma distância l sobre dois entre esses 10 entre essas duas fontes então eu escreveria de novo l sobre dois cena de teta isso tem que ser igual ao meu delta x então meu delta x eu já sei meu delta x é langa sobre dois no delta x elo da vida sobre dois e isso me daria o meu mesmo número inteiro aqui na frente multiplicando que seria o mesmo lambida ok então o que eu quero que vocês percebam é que quando tiver essa equação descendo de teta igual agora sim um n que multiplica o meu lambda n landa desenhar isso melhor um n landa se esse meu n for número inteiro então se ele for igual a um dois três quatro ou até mesmo cinco então todos os genes inteiros essa interferência vai ser destrutiva tão destrutiva de estruch viva e só vale lembrar que que o zero não conta porque 10 ficaria exatamente aqui 0 fica exatamente aqui e esse é um dos meus pontos esse é o meu ponto de maior interferência construtiva então o meu 0 não entra nesses valores dn então você pode se perguntar ok então se quando meu n for número inteiro eu tenho uma interferência destrutiva quando ele for por exemplo n igual a um meio ou é três meios cinco meios isso vai ser uma interferência construtiva e não eu vou provar isso em outro vídeo mas essa interferência não vai ser totalmente construtiva e nós vamos ver próximo vídeo e isso muito mais detalhado muito mais simplificado mas então eu já diria para vocês que bom se vocês quiserem uma aproximação talvez isso daqui funcione e dependendo do caso que você for olhar mas como uma linha geral não um hedge o meu n que não seja inteiro não me dá exatamente o ponto de uma interferência construtiva então espero que esse vídeo tenha ficado claro no ficado muito confuso e até a próxima pessoal